Afeto, cativação e incêndios. Qual será a palavra do ano?

  • Lusa
  • 1 Dezembro 2017

São dez as palavras candidatas a "Palavra do Ano". A votação está disponível a partir de hoje em www.palavradoano.pt, até 31 de dezembro.

De “afeto” a “vencedor“, passando por “crescimento” e “cativação”, a lista das dez palavras candidatas a “Palavra do Ano” está disponível a partir de hoje em www.palavradoano.pt, para votação até 31 de dezembro. Em 2016, a palavra vencedora foi “geringonça”.

A Porto Editora (PE), que promove a iniciativa desde 2009, afirma em comunicado que a escolha dos dez vocábulos teve como “base as propostas feitas através do ‘site’, e o trabalho de observação e acompanhamento da realidade da Língua Portuguesa, tanto nos meios de comunicação e redes sociais, como no registo de consultas nos dicionários ‘online’ e ‘mobile’”.

No dia 4 de janeiro próximo será conhecida a “Palavra do Ano”, escolhida entre a seguinte lista de dez vocábulos: “afeto”, “cativação”, “crescimento”, “desertificação”, “floresta”, “gentrificação”, “incêndios”, “independentista”, “peregrino” e “vencedor”.

A escolha da palavra “afeto” é justificada pela ação do Presidente da República. “Marcelo Rebelo de Sousa tem exercido o seu mandato com um singular grau de proximidade e afetividade para com os portugueses, o que já lhe valeu o epíteto de Presidente dos Afetos”, afirma o grupo editorial.

Quanto à escolha de “cativação”, afirma a PE, que, “com o objetivo de manter o défice abaixo dos valores definidos com a União Europeia, cativação tornou-se numa palavra muito visível – algo controversa –, na estratégia orçamental do Governo”.

“Crescimento” é uma palavra que “há bastante tempo não era usada para definir o comportamento da economia portuguesa, facto que foi notório ao longo do ano”.

“Desertificação”, por seu turno, foi um vocábulo “muito por força das circunstâncias, que ganhou especial atenção nas discussões públicas e no espaço mediático”.

“A enorme quantidade de área ardida demonstrou a necessidade de adotar novas estratégias para o ordenamento florestal em Portugal”, e daí a escolha da palavra “floresta”, muito ouvida e usada durante este ano.

“Gentrificação” é outro termo escolhido, um vocábulo de origem anglo-saxónica, que remete para o fenómeno que afeta uma cidade ou bairro pela alteração das dinâmicas da composição do local, como novos pontos comerciais ou construção de novos edifícios, numa procura de valorização, mas que afeta a população local.

“O aumento do turismo tem posto em evidência novos desafios e novas realidades, como a gentrificação, que se faz sentir nas principais cidades do país”, justifica a PE.

A palavra “incêndios” foi escolhida por causa dos “sucessivos incêndios que se fizeram sentir durante este ano em todo o país; 2017 foi um dos anos mais trágicos de sempre, pela enorme quantidade de vítimas e pela dimensão da área atingida”.

“A pretensão de independência da região espanhola da Catalunha tem sido seguida com particular atenção pelos portugueses”, e daí a escolha do termo “independentista”

“A propósito do centenário das aparições em Fátima, este ano, e do número excecional de peregrinos, ‘peregrino’ foi uma das palavras mais usadas este ano”.

“Pela primeira vez, e de forma surpreendente, Portugal foi o país vencedor do Festival Eurovisão da Canção, sendo de sublinhar o entusiasmo e o carinho que o cantor Salvador Sobral despertou junto dos portugueses”, daí a PE ter escolhido como “vencedor”, a 10.ª palavra que fecha a lista posta a partir de hoje, e até 31 de dezembro, a votação.

Esta é a nona edição da “Palavra do Ano”, que tem “como principal objetivo sublinhar a riqueza lexical e o dinamismo criativo da Língua Portuguesa, património vivo e precioso de todos os que nela se expressam, acentuando, assim, a importância das palavras e dos seus significados na produção individual e social dos sentidos com que vamos interpretando e construindo a própria vida”, afirma a PE.

“Esmiuçar” foi a palavra do ano de 2009, em 2010, “vuvuzela”, à qual sucedeu, em 2011, “austeridade” e, em 2012, “entroikado”.

Os incêndios de 2013 levaram à escolha da palavra “bombeiro”, como reconhecimento do esforço destes efetivos, profissionais e voluntários, e, no ano seguinte, 2014, a palavra escolhida foi “corrupção”, à qual sucedeu, em 2015, “refugiado” e, no ano passado, “geringonça”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Afeto, cativação e incêndios. Qual será a palavra do ano?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião