Reforma fiscal nos EUA puxa pelas ações e dólar. Já o ouro cai

O Senado dos EUA passou a reforma fiscal de Trump, o que ajuda as ações europeias a somar 1%, enquanto em Wall Street se antecipa novo recorde. Já o dólar registou a maior subida em mais de um mês.

A reforma fiscal de Donald Trump foi aprovada pelo Senado norte-americano e os mercados acionistas estão a apreciar. As ações europeias seguem em forte alta, enquanto os futuros para Wall Street antecipam uma abertura em alta, e o dólar também ganha terreno. Pela negativa, referência para o ouro que perde atratividade como ativo refúgio o que se reflete numa queda de valor.

Foi na madrugada do passado sábado, que a Câmara Alta do Senado aprovou a sua versão com 51 votos a favor, todos de senadores republicanos, e 49 contra, abrindo a porta à descida da carga fiscal para as empresas, mas também para os mais ricos. Com a reforma fiscal do Partido Republicano, a carga fiscal das empresas vai descer de 35% para 20% a partir de 2019, o que para é positivo para o setor empresarial e em consequência também se reflete de forma positiva sobre as ações.

É perante este cenário que os principais índices bolsistas da Europa seguem em forte alta. O Euro Stoxx 600, índice que agrega as 600 maiores capitalizações bolsistas europeias, segue a valorizar 0,94%, para os 387,57 pontos, após duas sessões consecutivas negativas. Já em Wall Street, tudo aponta também para uma abertura positiva. Os futuros sobre o S&P 500 aceleram 0,6%, antecipando um novo recorde histórico para o índice que agrega as 500 maiores capitalizações bolsistas dos EUA.

A “chave será o que irá acontecer durante as negociações no Congresso, mas com a aprovação do Senado, o mercado está a antecipar que possam ver algo a passar ainda este ano”, afirmou Kiyoshi Ishigane, estratega chefe da Mitsubishi UFJ Kokusai Asset Management Co, citado pela Bloomberg. “Se olharmos para tal, parece que estão de acordo nos pontos mais importantes, como cortar a taxa de imposto para 20% dos anteriores 35%”, acrescentou o mesmo responsável.

O comportamento do dólar também reflete o otimismo em torno da reforma fiscal nos EUA. A moeda norte-americana segue a valorizar 0,28% face a um cabaz de moedas, depois de já ter estado a ganhar 0,51%, naquela que é a maior subida desde o final de outubro.

"A passagem do plano de impostos no Senado elevou o otimismo acerca dos cortes de impostos às empresas, o que deverá ser positivo para as ações, mas não para o ouro.”

John Sharma, National Australia Bank

Por sua vez, o ouro está a perder brilho, tendo em conta que com a aprovação do Senado norte-americano se dissipam algumas reticências que existiam relativamente ao plano fiscal de Trump que agora ganha fôlego. O ouro segue a desvalorizar 0,6%, para os 1.272,99 dólares.

“A passagem do plano de impostos no Senado elevou o otimismo acerca dos cortes de impostos às empresas, o que deverá ser positivo para as ações, mas não para o ouro”, antecipava na manhã desta segunda-feira, John Sharma, economista do National Australia Bank.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reforma fiscal nos EUA puxa pelas ações e dólar. Já o ouro cai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião