UE aprova nova lista de paraísos fiscais com 17 nomes incluindo Macau

  • Marta Santos Silva
  • 5 Dezembro 2017

Tunísia, Macau e Panamá são alguns dos países na lista aprovada - muito mais curta que a portuguesa - esta terça-feira pelo Ecofin, o conjunto dos ministros das Finanças e Economia da União Europeia.

Os ministros das Finanças da União Europeia aprovaram esta terça-feira a lista de paraísos fiscais comunitária, que inclui 17 jurisdições fora da União Europeia. É uma lista relativamente pequena, comparada por exemplo com a portuguesa. Há ainda, no entanto, uma segunda lista “cinzenta” que inclui outras 47 regiões, aquelas que não cumprem atualmente as regulamentações europeias mas que se comprometeram a vir a fazê-lo.

A lista negra inclui 17 territórios: a Samoa, o Bahrain, Barbados, Grenada, Guam, Coreia do Sul, Macau, as Ilhas Marshall, a Mongólia, a Namíbia, o Palau, o Panamá, Santa Lucia, Trinidade e Tobago, Tunísia e os Emirados Árabes Unidos.

Os países na lista negra estão sujeitos a sanções. Como explicou o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, citado pela Reuters, as sanções poderão incluir perder acesso aos fundos europeus, entre outras que serão decididas nas próximas semanas.

A lista portuguesa de paraísos fiscais é uma das mais longas da União Europeia, com cerca de 80 jurisdições listadas, e cresceu ainda mais com uma coligação negativa, que aliou a direita e o Bloco de Esquerda, na negociação do Orçamento do Estado para 2018, em que três territórios que tinham sido retirados voltaram para a lista negra.

O ministro das Finanças da Estónia, Toomas Töniste, disse na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Ecofin que não se trata de uma medida punitiva. “Na reunião de hoje também aprovámos a lista de jurisdições não cooperantes. Esperamos que isto aumente a transparência. Gostaria de enfatizar que esta não é uma medida punitiva, mas desejamos que estes países tenham progresso no futuro“, afirmou.

Valdis Dombrovskis, Comissário Europeu da Estabilidade Financeira, afirmou que a Comissão espera que venham aí medidas punitivas ou defensivas em 2018, para fazer com que as medidas passem a ser cumpridas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UE aprova nova lista de paraísos fiscais com 17 nomes incluindo Macau

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião