Moody’s corta outlook da Altice por causa das contas da Meo

A Moody's reviu em baixa a perspetiva atribuída à Altice, de "estável" para "negativa", justificando a decisão com os maus resultados da empresa no terceiro trimestre em Portugal.

A Moody’s baixou a perspetiva da notação atribuída à Altice, de “estável” para “negativa”, avançou a Bloomberg esta quarta-feira. A agência de rating justifica a decisão com vendas mais fracas do que o esperado no terceiro trimestre em Portugal e com as alterações na gestão e na estratégia da empresa. A redução da perspetiva indica que a agência poderá vir a reduzir a notação atribuída à dona da Meo que, atualmente, se fixa em B1.

“O rating B1 reflete a necessidade de estabilizar as receitas em França e Portugal”, indica a Moody’s, mas também a necessidade de levar a cabo a reestruturação do negócio em França e a de amortizar a elevada dívida, bem como o perfil de liquidez “enfraquecido” da empresa. A redução da perspetiva pela Moody’s segue-se a uma decisão no mesmo sentido por parte da Standard & Poor’s, outra agência de notação financeira com sede nos Estados Unidos, que também reviu em baixa o outlook da Altice para “negativo”.

Além da redução da perspetiva do rating da Altice, a Moody’s reduziu o outlook da SFR, a operadora de telecomunicações da Altice em França e o principal negócio do grupo de Patrick Drahi. A empresa tem estado sob forte pressão desde o início de novembro, quando apresentou fracos resultados do terceiro trimestre e uma queda nas receitas da Meo e da SFR, bem como a perda de clientes em França. Os resultados levantaram dúvidas quanto à capacidade da empresa de pagar os mais de 50 mil milhões de euros de dívida que acumula.

Os resultados precipitaram as ações da Altice numa acentuada queda de quase 60% no mês. No entanto, em dezembro, os títulos têm recuperado e ainda não assistiram a perdas. Desde a última sexta-feira, 1 de dezembro, as ações do grupo já recuperaram 12,9%, com cada título a valer 7,49 euros.

(Notícia atualizada às 17h14 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s corta outlook da Altice por causa das contas da Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião