Investidores lesados do BES mandam nova carta a pressionar o Banco de Portugal

  • Rita Atalaia
  • 18 Dezembro 2017

Numa nova carta enviada a Carlos Costa, os investidores lesados do BES voltam a pressionar o BdP. Mas elogiam o facto de a entidade ter sinalizado que esta questão está a ser analisada.

Os grandes investidores lesados pela decisão do Banco de Portugal (BdP) de transferir, em dezembro de 2015, dívida do Novo Banco para o BES “mau” continuam a pressionar a entidade liderada por Carlos Costa. Numa altura em que se chega ao segundo aniversário dessa decisão polémica, BlackRock, Pimco e outros fundos enviaram uma nova carta ao BdP onde alertam para os custos que esta tem para o país. Mas elogiam o facto de o BdP ter sinalizado que esta questão está a ser analisada.

“À medida que nos aproximamos do segundo aniversário da decisão, e na ausência de qualquer solução justa, a decisão continua a penalizar a credibilidade do setor financeiro português enquanto destino de investimento estrangeiro“, refere o Novo Note Group, constituído pela Attestor Capital, BlackRock, CQS e Pimco, numa carta enviada ao governador do BdP.

"À medida que nos aproximamos do segundo aniversário da decisão, e na ausência de qualquer solução justa, a decisão continua a penalizar a credibilidade do setor financeiro português enquanto destino de investimento estrangeiro.”

Attestor Capital, BlackRock, CQS e Pimco

É neste documento que os grandes fundos que investiram na dívida do BES alertam para as consequências da decisão tomada pelo banco central. “Os bancos portugueses pagam juros significativamente mais elevados do que os seus pares.” E, até que seja alcançada uma solução, “as instituições financeiras vão continuar a suportar os custos desta decisão sem precedentes”, salientam. Estes fundos recusam-se a participar em quaisquer operações de financiamento do Governo português, mas também dos bancos, como foi o caso da CGD e do BCP.

BdP dá sinal de esperança aos fundos

Apesar da pressão exercida pelos fundos, estes também elogiam os esforços do BdP para resolver esta questão “de forma justa”. Estes grandes investidores estão a tentar recuperar as perdas sofridas pelos seus clientes no seguimento da decisão do banco central de transferir 2,2 mil milhões de euros em títulos de dívida sénior do Novo Banco para a massa insolvente do BES.

“Estamos satisfeitos com as notícias de que este assunto será tratado pelo vice-governador Luís Máximo dos Santos, que nos informou que esta questão está a ser analisada ao mais alto nível no BdP”, notam os grandes investidores. Contactado pelo ECO, o BdP não quis fazer qualquer comentário.

(Notícia atualizada às 16h56 com a reação do BdP)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investidores lesados do BES mandam nova carta a pressionar o Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião