França quer discutir regulação para a bitcoin no G20

O ministro das Finanças francês anunciou que vai propor ao G20 que se discuta a regulação para a bitcoin no próximo encontro.

Esta segunda-feira a bitcoin acelerou para os 19 mil de dólares com a entrada dos futuros na CME. A onda de preocupação com as valorizações sucessivas já chegou a todo o mundo. Até Janet Yellen deixou um aviso: a bitcoin é “um ativo altamente especulativo”. Este domingo o ministro das Finanças francês lançou a primeira pedra — Bruno Le Maire quer que o próximo G20 seja focado na regulação da criptomoeda, de acordo com a Reuters.

O grupo das 20 maiores economias deverá discutir a regulação da bitcoin na próxima reunião. É essa a vontade de Le Maire, o ministro das Finanças escolhido por Emmanuel Macron. “Vou propor ao novo presidente do G20, a Argentina, que na próxima cimeira do G20, em abril, se discuta todas as questões relacionadas com a bitcoin”, anunciou Le Maire ao canal francês LCI.

Na semana passada, os Estados-membros da União Europeia acordaram em legislar de forma apertada à bitcoin e outras criptomoedas de forma a prevenir casos de lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo. “O acordo de hoje vai trazer mais transparência para melhorar a prevenção da lavagem de dinheiro e cortar o financiamento ao terrorismo”, garantiu a comissária para a justiça, Vera Jourova, na semana passada.

Temos de considerar e examinar isto e ver como é que, com todos os outros membros do G20, conseguimos regular a bitcoin.

Bruno Le Maire

Ministro das Finanças francês

Para o francês “há evidentemente um risco de especulação” e, por isso, tem de haver uma atuação mais ampla para lá da UE. “Temos de considerar e examinar isto e ver como é que, com todos os outros membros do G20, conseguimos regular a bitcoin”, argumentou o ministro as Finanças de França. O problema da falta de regulação tem sido identificado por várias entidades.

Em Portugal, também a CMVM admitiu que existe proteção “limitada” para quem investe em moedas virtuais como a bitcoin. No Risk Outlook revelad na semana passada, o regulador alertava que as “regras de proteção dos consumidores ainda são limitadas” uma vez que os utilizadores das moedas digitais continuam expostos a uma grande variedade de riscos — principalmente os hackers e o perigo de novos investidores “subestimarem” os riscos das mudanças “súbitas” no valor das criptomoedas.

A desvalorização rápida — tão rápida como a valorização — da bitcoin é um dos riscos assinalados para o próximo ano, algo que poderá estar ligado às regras que vierem a ser aplicadas. “A regulação será a grande ameaça à bitcoin que se pode tornar na face economia paralela digital, uma vez que existem questões relacionadas com o branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo que terão, mais cedo ou mais tarde, de ser abordadas pelos diversos reguladores, bem como o anonimato que protege os utilizadores e transações”, disse Pedro Lino, da Dif Broker, ao ECO.

O G20 é constituído pela Argentina, Austrália, Brasil, Canada, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e a União Europeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França quer discutir regulação para a bitcoin no G20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião