CTT acelera 5% com a reestruturação mas não consegue segurar Lisboa

  • Juliana Nogueira Santos
  • 20 Dezembro 2017

A empurrar o PSI-20 para perdas de 0,31% estiveram as empresas do setor energético e a retalhista Jerónimo Martins. O BCP e os CTT travaram perdas maiores.

Pela primeira vez esta semana, o principal índice nacional terminou a sessão em terreno de perdas. A empurrar o PSI-20 para perdas de 0,31% estiveram as empresas do setor energético e a retalhista Jerónimo Martins, que deslizaram mais de 1%. O BCP e os CTT travaram perdas maiores, no dia em que a Pharol também brilhou.

Assim, a praça lisboeta caiu para os 5.414,35 pontos, com a EDP a perder 1,64% para 2,88 euros, a EDP Renováveis a desvalorizar 1,20% para 6,75 euros e a Galp a deslizar 0,58% para 15,52 euros. A REN seguiu a tendência e perdeu 0,37% para 2,45 euros. No retalho, a queda maior foi registada pela Jerónimo Martins, que desvalorizou 1,67% para 15,64 euros.

Em terreno positivo e a travar perdas maiores esteve o banco liderado por Nuno Amado, que avançou 0,26% para 27,02 cêntimos esta quarta-feira, bem como os CTT que, no dia após ter sido anunciado o plano de reestruturação, ganharam 4,61% para 3,65 euros.

Durante a sessão desta quarta-feira, as ações da distribuidora postal chegaram a valorizar cerca de 11%, após ter sido anunciado que a quebra de receitas que se tem verificado nos últimos tempos vai ser contrabalançada com uma redução do número de trabalhadores e cortes nos salários da administração. Ainda que o tema esteja debaixo de fogo no debate quinzenal a decorrer esta quarta-feira, os investidores estão a aplaudir as medidas.

A beneficiar de segundas oportunidades esteve também a Pharol. No ‘país irmão’, o plano de recuperação judicial da Oi foi aprovado pelos credores e, ainda que a sua acionista de referência portuguesa — detém 27% do capital — já tivesse afirmado que estava contra o plano, os seus títulos avançaram 2,20% para 27,9 cêntimos com a notícia.

Na Europa, o dia também foi de perdas. A destacar-se esteve a bolsa alemã que perdeu 1,11%, seguindo-se a francesa que caiu 0,56% e a espanhola que deslizou 0,26%. O agregador Stoxx 600 perdeu 0,68%.

(Notícia atualizada às 17h00 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT acelera 5% com a reestruturação mas não consegue segurar Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião