Portugal mudou de mentalidade sobre défice, dívida e crescimento, diz Marcelo

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

Marcelo diz que esta "mudança de mentalidade" acompanha "uma revolução silenciosa" no mundo empresarial português. Presidente da República realça ainda criação de consensos sobre o défice e a dívida.

O Presidente da República sustentou, esta quarta-feira, que nos últimos cinco anos houve uma “mudança de mentalidade” em Portugal e criaram-se consensos de regime implícitos sobre o défice, a dívida e o crescimento económico.

Marcelo Rebelo de Sousa falava no Palácio da Cidadela, em Cascais, durante o encontro anual do Conselho da Diáspora Portuguesa, associação constituída em 2012, com o alto patrocínio do anterior Presidente da República, Cavaco Silva, destinada a institucionalizar uma rede de contactos entre portugueses com posições de destaque no estrangeiro.

Dirigindo-se aos conselheiros e dirigentes desta associação, o chefe de Estado afirmou que “Portugal mudou e mudou muito” nos cinco anos que passaram desde 2012. “As pessoas não têm a noção. Eu espero que quem esteja de fora tenha aquele distanciamento que quem está no meio da floresta não vê. Mudou muito, [Portugal] conseguiu fazer consensos de regime mesmo que só implícitos”, prosseguiu, dando um exemplo: “Há cinco ou seis anos, interiorizar que controlar o défice do Estado era uma prioridade nacional era falar nalguns países europeus, a começar na Alemanha”.

De acordo com Marcelo Rebelo de Sousa, o défice “era um tema polémico” em Portugal, mas, entretanto, foi “interiorizado como algo que já não se debate na vida política e quando se debate é ao nível de 0,1, 0,2”.

Segundo o Presidente, “uma segunda mudança cultural que está em curso é perceber-se que o desendividamento é fundamental” e deixar-se de “colocar em questão toda a dívida pública encontrando uma forma airosa de a discutir para a não pagar”. No seu entender, “isto mudou em Portugal”. Além disso, “mudou a exigência de crescimento, a começar pelo Presidente da República, responsável por falar em metas, porventura muito elevadas”, acrescentou.

“Isto não é só uma mudança de léxico, é uma mudança de mentalidade, que está para ficar, qualquer que seja o Governo, qualquer que seja a solução – está para ficar e é bom que esteja para ficar”, sustentou.

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que esta “mudança de mentalidade” acompanha “uma revolução silenciosa” no mundo empresarial português, “que começou pelos empresários, micro, pequenos, médios empresários que se lançaram à vida” durante o recente período de crise e foram “operar noutros mercados”.

O Presidente da República disse que se criaram em Portugal “realidades empresariais únicas, que se multiplicaram, na novíssima geração” e que tiveram na Web Summit “um corolário”. “Houve uma reconversão”, considerou, apontando a diplomacia económica como “outro caso de consenso de regime, não explicitado, nem assumido”.

O Conselho da Diáspora Portuguesa tem como presidente honorário o chefe de Estado e, atualmente, a sua direção é presidida pelo empresário Filipe de Botton e o ex-primeiro ministro e antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso é presidente da Mesa do Conselho da Diáspora.

No encontro de hoje, estiveram vários membros do Governo, incluindo os ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e também esteve presente, como convidada, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas.

No final do seu discurso, o Presidente da República expressou o seu apoio “muito firme” a esta associação e salientou o facto de ter nomeado para membro do Conselho de Estado “um conselheiro da diáspora”, António Damásio.

“Foi um sinal que, no futuro, tem de ser alargado e deve ser alargado”, declarou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal mudou de mentalidade sobre défice, dívida e crescimento, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião