Marcelo aguarda que Anacom se pronuncie sobre cumprimento do contrato pelos CTT

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

"Vamos ver o que é que a autoridade reguladora diz quanto à forma de gestão por privados de um serviço público -- porque se trata de um serviço público", disse Marcelo.

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira que compete à entidade reguladora do setor, a Anacom, verificar o cumprimento do contrato de serviço público por parte dos CTT e que aguarda que esta se pronuncie.

“Vamos ver o que é que a autoridade reguladora diz quanto à forma de gestão por privados de um serviço público — porque se trata de um serviço público”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos jornalistas.

O Chefe de Estado, que falava à saída de uma missa pelas vítimas dos incêndios no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, começou por lembrar que “a decisão de entregar a privados um serviço público foi do Governo anterior [PSD/CDS-PP], durante a presidência anterior” de Cavaco Silva.

Em seguida, salientou que essa privatização foi feita “com um contrato com determinado regime de direitos e deveres”.

O Presidente da República acrescentou que “compete nomeadamente à autoridade reguladora” do setor, a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), “verificar se esse contrato está a ser ou não cumprido e se será ou não cumprido no futuro”.

Questionado sobre a promulgação do Orçamento do Estado para 2018, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o diploma “ainda não chegou” ao Palácio de Belém.

A administração dos CTT – Correios de Portugal, empresa que emprega 6.700 pessoas, divulgou na terça-feira um plano de reestruturação que prevê uma redução de cerca de 1000 trabalhadores ao longo de três anos, justificada com a queda do tráfego do correio. Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT adiantaram que estão previstas reduções entre 15% e 25% das remunerações fixas dos membros executivos e não executivos da administração da empresa.

Através de uma nota à imprensa, o Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações acusou hoje a administração dos CTT de tentar intimidar os trabalhadores ao anunciar a redução de cerca de 800 postos de trabalho em vésperas de uma greve de dois dias.

Os trabalhadores dos CTT vão estar em greve na quinta e na sexta-feira por melhores condições de trabalho e pela salvaguarda dos postos de trabalho. Segundo o sindicato dos correios, o pessoal foi sendo reduzido de tal forma que a qualidade do serviço está posta em causa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo aguarda que Anacom se pronuncie sobre cumprimento do contrato pelos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião