Quanto custa a mesa da consoada? 22 euros em casa, 160 num hotel

  • ECO
  • 24 Dezembro 2017

Qual a melhor opção para a consoada: fazer o jantar em casa, ir para um hotel ou contratar um serviço de catering? O ECO fez as contas e revela ao detalhe as opções que andam por aí.

Era a noite antes do Natal. Nenhuma criatura se mexia, nem mesmo um ratinho. As meias estavam penduradas na chaminé… O cenário do clássico poema de Clement Clarke Moore pode parecer-lhe utópico, mas o relaxamento total na noite da véspera do Natal é possível. É que, se há quem preferia plantar a mesa da consoada no meio do barulho e da confusão familiar, também há quem escolha passar essa ocasião festiva num hotel ou, em alternativa, deixar nas mãos dos profissionais a confeção do jantar mais mágico do ano, mesmo sem ter de sair de casa. Passar a noite da consoada num hotel, contratar um serviço de catering ou fazer o jantar em casa? O ECO fez as contas e revela todos os detalhes das opções disponíveis.

O que não pode faltar na mesa da consoada? Bacalhau, batatas, couves, azeite, bolo-rei e rabanadas.Pixabay

A decisão é, claro, sua e da sua carteira. Em média (comparando os preços de uma modesta mesa de consoada em quatro grandes supermercados), jantar em casa custa 22€. Visitar um hotel, por outro lado, pode roçar os 160€ por pessoa — mas também há opções mais amigas da carteira. Neste universo de opções, desfrutar de comida já feita, no conforto do seu próprio lar, é uma escolha com uma boa relação custo-benefício. Nesse caso, o custo de uma refeição para seis pessoas fica em torno de 50€.

Para que conheça todas as oportunidades que andam por aí, o ECO reuniu os preços de uma consoada comprada em quatro grandes supermercados e cinco outras opções que o podem colocar fora da cas(c)a.

Ficar em casa não significa abdicar do luxo, na véspera do Natal.Pixabay

Ficamos?

Só em dezembro, a Associação dos Industriais do Bacalhau prevê que sejam consumidos um milhão de quilos deste peixe. Historicamente, o mês do Natal é responsável por um terço das vendas anuais, mas este ano os portugueses vão ter de pagar mais pelo alimento rei da mesa da consoada. O preço médio por quilo aumentou quase 5% face a 2016, fixando-se em 8,07 euros por quilo. Com esse aumento, quanto custa fazer o jantar do dia 24 em casa? Uma consoada constituída por um quilo de bacalhau, uma garrafa de azeite (de 750 ml), um quilo de batatas, uma lata de grão (de 400g) e um bolo-rei fica, em 2017, a quase 22€, de acordo com uma comparação em quatro grandes supermercados.

Se está interessado em saber onde sai mais em conta comprar os alimentos para a véspera do Natal, explore a lista que o ECO apresenta abaixo… e mantenha os olhos abertos para as pequenas extravagâncias que só pode encontrar em certos estabelecimentos.

Este ano, comprar os alimentos acima referidos para a consoada custa pouco mais de 31€, no El Corte Inglés. O artigo que mais lhe magoa a carteira é o bolo-rei que, na versão mais barata disponibilizada por este supermercado, fica por pouco menos de 18€. Já o bacalhau mais em conta ronda os oito euros por quilo.

Se quiser ser mais ousado e abrir os cordões à bolsa, pode facilmente fazer esse orçamento dobrar, triplicar, quadruplicar… No folheto do estabelecimento em causa, por exemplo, sugerem-se queijos de ovelha (cujos preços rondam os 17 euros), presuntos ibéricos (que variam entre os 65 e os 324€/Kg) e bombons sortidos belgas, que podem chegar aos 16€. Para brindar nessa noite mágica e porque ficar em casa não significa abdicar do luxo, pode ser extravagante com um Porto Dow’s 20 anos, que custa 32,50€. Além disso, ao ECO o El Corte Inglés deixou a recomendação: “Nesta altura do ano vendemos diversos tipos de champanhes — entre os quais o Champanhe Moët & Chandon (39,90€) e o Champanhe Deutz (39,90€) — e também vendemos lagosta do Atlântico (48,90€/ Kg)”.

Com pouco mais de 17€, pode preparar uma consoada modesta, este Natal, se for ao Jumbo. Neste supermercado, o artigo que sai mais caro é o bacalhau (a 6,73€ por quilo, na versão mais barata), seguido pelo bolo-rei (cujo preço ronda os seis euros).

Para os fãs do mínimo trabalho possível, este supermercado disponibiliza também opções de takeaway como o peru recheado com porco, paté de vinho do Porto e salsa (cujo preço ronda os nove euros por quilo) ou a vitela com pimento, queijo de cabra e noz (que custa 8,85€ por quilo). Ao ECO, fonte do Jumbo explicou também que o estabelecimento oferece alguns artigos especiais, nesta altura do ano : “podemos destacar entre muito outros, a ​lagosta ​viva ​nacional, o caranguejo real e o caviar​, os quais são sem dúvidas diferenciadores para esta quadra”.

Uma nota de vinte euros e algumas moedas devem ser suficientes para cobrir os custos da mesa de consoada que o ECO usou como termo comparativo, no Continente. Neste estabelecimento, o quilo de bacalhau chega aos nove euros e a sobremesa que abrilhanta todas as vésperas de Natal, o bolo-rei, ronda os sete euros.

No folheto da cadeia de supermercados detida pela Sonae, sugere-se ainda que a consoada seja regada com vinho entre os dois e os quatro euros e arrematada com trufas e doces que rondam os quatro euros. Além disso, ao ECO, uma representante do Continente adiantou que o estabelecimento oferece diversas opções de takeaway natalício, como o perú assado (por 9,99€ por quilo) e o polvo à lagareiro (por 17,99€ por quilo).

Este Natal, no Pingo Doce, a mesa escolhida pelo ECO custa 18,95€. Neste supermercado, o artigo que mais pesa no orçamento é novamente o bacalhau, cujo preço ronda os 7,99€ por quilo. Já o bolo-rei custa 6,99€. Ao ECO, o estabelecimento fez, no entanto, questão de enfatizar que, mesmo nas gamas de produtos mais acessíveis, privilegia a relação qualidade-preço, ao invés de simplesmente cortar proporcionalmente os preços e qualidade dos artigos que disponibiliza. “[O azeite], por exemplo, é produzido com azeitonas 100% portuguesas”, revela o supermercado.

Pingo Doce diz privilegiar a melhor relação qualidade-preço.Pingo Doce

Além dos alimentos que podem servir de matéria-prima para o jantar da véspera de Natal, o Pingo Doce oferece, nesta ocasião, diversas opções de takeaway. Por exemplo, uma consoada para três ou quatro pessoas composta por caldo de frango, lombo de bacalhau com crumble de pimento e batata assada, e sericaia como sobremesa fica a pouco menos de 33€.

Há também quem decida passar a consoada fora do conforto do lar.Pixabay

Vamos?

Para quem quer “alta qualidade sem muito trabalho”, passar a véspera do Natal fora de casa ou deixar o jantar nas mãos de profissionais é uma excelente opção. A opinião foi avançada ao ECO pelo serviço de catering The Love Food e confirmada pelo luxuoso Ritz Four Seasons Lisboa. Os preços, esses, variam e servem todos os tipos de carteira. Há jantares para seis pessoas a pouco menos de 50€ e refeições individuais que quase tocam nos 200€… Tudo por uma noite mágica “em família, mas fora da rotina”, considera o Pestana Palace Lisboa.

No Ritz Four Seasons Lisboa, a consoada deste ano realiza-se no Restaurante Varanda. O menu natalício custa 160€ por pessoa e não inclui bebidas. As crianças até aos 5 anos comem de graça e aquelas que têm entre os seis e os 12 anos só pagam metade. “O chef executivo Pascal Meynard confecionará bacalhau, que este ano será confitado. A entrada é um carabineiro grelhado“, adianta ao ECO fonte do hotel.

Este é o 58º ano em que o Ritz Four Seasons Lisboa oferece este jantar especial e mais uma vez cumpriu-se a tradição: os 80 lugares sentados já estão todos esgotados. Além da consoada, está também disponível almoço e jantar no dia 25 de dezembro, festa de Ano Novo e almoço e jantar no primeiro dia de 2018.

Segundo o hotel, a maioria dos clientes são internacionais, mas há também quem “não queira a pressão de fazer os preparativos em casa”, quem “aproveite para tornar a consoada uma ocasião mais formal” ou até mesmo quem “não celebre o Natal, mas queira um jantar gastronómico”.

Há 17 anos que o Hotel Marquês de Pombal prepara um jantar especial para quem o visita na noite de 24 de dezembro. O menu deste ano custa 37,50€ por pessoa, incluindo café e água. As bebidas são pagas à parte. “Estamos praticamente esgotados”, explica fonte do hotel ao ECO.

De acordo com a unidade hoteleira, esta é uma “boa opção” para quem veio passar a época festiva a Lisboa e está a ter dificuldades em fazer reservas noutros restaurantes. “Conforto” é, por isso, a palavra-chave escolhida pelo Hotel Marquês de Pombal para descrever a experiência de passar a consoada na Avenida da Liberdade.

Desde 2001 que o Pestana Palace Lisboa também dá cartas no jantar mais mágico do ano. Em 2017, a consoada custa 98€ por pessoa, valor que não inclui as bebidas. As mesas já estão todas esgotadas, apurou o ECO.

Segundo o hotel, a confiança e excelência do produto levam os clientes a esta unidade. Entre visitantes portugueses e internacionais — o que “varia mediante o ano e a rapidez com que fazem as reservas” — o Pestana Palace Lisboa oferece uma alternativa luxuosa à consoada passada em casa. “Há cada vez mais pessoas que querem passar o Natal em família, mas sair da rotina”, sublinha o responsável do restaurante.

Quem, por outro lado, quiser ficar em casa mas recusar passar a noite na cozinha, pode deixar o jantar da véspera do Natal nas mãos de profissionais como os da TheLoveFood. O serviço de catering vegano oferece, este ano, um menu especial com duas opções: gratinado natalício de legumes da estação ou rolo de aveia recheado e acompanhado com batatas branca e doce, no forno. O jantar serve, no mínimo, seis pessoas e custa 45€.

Este é o terceiro ano em que o The Love Food disponibiliza este serviço e confirma que a reação tem sido a melhor. “É para quem quer alta qualidade sem ter muito trabalho. Para esses clientes, este é o serviço ideal”, conta a fundadora do projeto. Também não faltam sobremesas por onde escolher — do tradicional Bolo-Rei ao clássico Tronco de Natal — com preços entre os 16 e os 30€.

Especializado em receitas tradicionais, o Artesãos da Comida oferece um menu natalício com muitas opções e preços para que tenha uma consoada completa. Quem optar por ter o jantar de dia 24 de dezembro confecionado por este serviço de catering, terá à disposição entradas que variam entre os 6€ e os 6,60€ (por seis unidades), salgados cujos preços variam entre os 5,40€ e os 5,95€ (por seis unidades), tartes que custam entre 22,90€ e 33,10€ e pratos principais que variam entre os 4,60€ e os 12,50€.

No Artesãos da Comida, uma consoada para seis pessoas composta por uma entrada de almofadas filó com maçã, farinheira e amêndoa, bacalhau espiritual com crumble de amêndoas como prato principal e uma tarte de espinafres e ricota como acompanhamento custa-lhe pouco mais de 58€.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Quanto custa a mesa da consoada? 22 euros em casa, 160 num hotel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião