Fusões e aquisições globais atingem os quatro biliões em 2017

  • Juliana Nogueira Santos
  • 28 Dezembro 2017

A compra da Fox pela Disney está entre os maiores negócios do ano. Mas 2018 não ficará atrás, com grandes fusões planeadas da tecnologia às infraestruturas.

O diretor executivo da Disney, Robert Iger, e Rupert Murdoch protagonizaram um dos maiores negócios do ano.21st Century Fox

As empresas estão cada vez mais a apostar nas fusões e aquisições. Só neste ano de 2017, a atividade global de M&A — a sigla inglesa para fusões e aquisições — ascendeu aos quatro biliões de dólares (3,36 biliões de euros), sendo já o quarto ano que regista aumentos. E 2018 não irá ficar atrás.

As contas são do Financial Times, que sublinha que o último mês do ano foi marcado por três operações massivas, em diversos setores do mercado. A farmacêutica CVS Health comprou a Aetna por 69 mil milhões de dólares nos EUA, enquanto na Austrália a família Lowy vendeu a sua cadeia de centros comerciais às Unibail-Rodamco por 24,7 mil milhões.

Um dos maiores negócios do ano foi protagonizado por Robert Iger e Rupert Murdoch, com o último a entregar a 21th Century Fox por 66 mil milhões de dólares à Disney. Em termos regionais, foi na América do Norte que mais M&A se registaram, seguindo-se a Europa e a China.

Ainda assim, 2018 não vai ficar nada atrás. Pendentes ficaram operações massivas como a fusão entre a Broadcom e a Qualcomm que, assim que seja resolvida, se situará nos 128,6 mil milhões de dólares ou a compra da Abertis, que tem sido palco de uma guerra aberta entre a italiana Atlantia e a espanhola ACS. Esta poderá chegar aos 38 mil milhões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fusões e aquisições globais atingem os quatro biliões em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião