Modelo 3 da Tesla falha metas de produção… outra vez

Não está fácil para a norte-americana Tesla. As tão esperadas vendas do elétrico Model 3 continuam a ficar aquém das expectativas, pela segunda vez. Ações da empresa já caíram 17%.

A fabricante de automóveis norte-americana Tesla anunciou, no verão do ano passado, o lançamento do seu elétrico Model 3, sonhado por muitos amantes de carros há alguns tempo. Mas, alguns meses depois, a realidade continua a ficar muito aquém das expectativas, com a empresa a vender menos modelos do que gostaria.

Na altura do anúncio, Elon Musk, presidente executivo da Tesla, afirmava estar confiante de que este seria “o melhor carro neste intervalo de preços”. Preços esses que, em Portugal, rondam os 34 a 38 mil euros (fora os impostos e outras taxas). A produção vai “crescer exponencialmente”, dizia Musk, adiantando que passariam de 100 unidades produzidas em agosto para mais de 1.500 em setembro. O objetivo estava traçado: para 2018, a empresa esperava produzir 500 mil Model 3. No entanto, nem tudo correu como o esperado.

No passado dia 3 de dezembro, a Tesla anunciava que tinha entregue apenas 1.550 veículos durante o quatro trimestre de 2017, um valor muito abaixo do desejado. Inclusive, os analistas da Bloomberg estimavam uma média de 2.917 entregas. Estes números surgem na sequência de um 3º. trimestre de 2017 bastante desapontante, com apenas 222 modelos entreguesº, quando o desejado eram 1.500. Após a divulgação destes números, Wall Street reagiu e os títulos da empresa caíram 1,7% esta quarta-feira.

Em novembro, numa carta enviado aos investidores, Elon Musk culpava os “pontos de estrangulamento” devido ao mau funcionamento do equipamento de montagem do módulo da bateria. Após isto, a empresa reformulou as duas partes do processo de montagem da bateria, acabando por atribuir parte da culpa aos “fornecedores dos sistemas de fabricação”.

Mau para a Tesla, bom para os concorrentes

Mas, esta falha de objetivos acaba por ser um ponto a favor dos concorrentes de veículos elétricos, como a GM. O Chevy’s Bolt foi lançado em 2015, muito antes do Model 3. Na altura, ninguém esperava que a GM tivesse algum tipo de hipótese de bater as vendas do modelo da Tesla mas, o certo é que as vendas superam, com a empresa a reportar mais de 22 mil automóveis entregues desde dezembro de 2016.

Com isto, a Tesla vai produzir apenas cinco mil modelos por semana, até junho deste ano, e 10 mil unidades por semana após isso, mas ainda não se sabe quando.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Modelo 3 da Tesla falha metas de produção… outra vez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião