Denúncias de fraudes nos fundos têm novo espaço

Todos os cidadãos que tenham conhecimento de situações irregulares ou ilegais verão as suas denúncias tratadas com total confidencialidade, se assim o desejarem.

Quem tem conhecimento de situações fraudulentas na aplicação de fundos comunitários na área da formação profissional vai ter ao seu dispor uma nova ferramenta para apresentar as suas denúncias.

Esta alteração decorre de uma obrigação comunitária, que força as várias autoridades de gestão dos fundos a disponibilizar “todos os mecanismos disponíveis para a adoção medidas que identifiquem práticas irregulares”. Até aqui, no âmbito do Programa Operacional Capital Humano (POCH) as denúncias podiam ser feitas via email, sobretudo depois de ter desaparecido a figura o curador do beneficiário.

Fonte oficial do POCH garantiu ao ECO que, “desde 2015 foram contabilizadas pouco mais de 100 denúncias”. “A lista de 2017 ainda não está atualizada relativamente ao segundo semestre, mas o total deverá rondar as 150”, acrescenta a mesma fonte oficial.

Desde 2015 foram contabilizadas pouco mais de 100 denúncias. A lista de 2017 ainda não está atualizada relativamente ao segundo semestre, mas o total deverá rondar as 150.

Fonte oficial do POCH

Todos os cidadãos que tenham conhecimento de situações irregulares ou ilegais verão as suas denúncias tratadas com total confidencialidade, explica o portal do POCH. Mas caso não optem pelo anonimato, quem faz a denúncia “recebe, por correio eletrónico, um recibo de submissão e será informado da decisão da denúncia”.

As queixas que tinham sido feitas relativamente ao POCH através do curador diziam respeito, na maior parte dos casos, a atrasos nos pagamentos, confirmou fonte oficial do programa, e que raramente tinha a ver com o programa operacional em si e mais com as relações entre as entidades que davam a formação e os formandos.

De acordo com o último relatório anual do curador, referente ao ano de 2015, no total tinham sido apresentadas 68 queixas, das quais 47% foram apresentadas em dezembro” desse ano. Mas o pico das queixas ao curador foi em fevereiro de 2016, tendo depois caído consecutivamente na sequência do anúncio da vacatura da função. Ainda assim, no último relatório mensal de junho de 2016, a estrutura revelava que “as empresas e os consultores, neste caso por si e em nome daquelas, são autoras de 72% das queixas apresentadas”. “No domínio temático da competitividade e internacionalização inserem-se aproximadamente 55% das queixas apresentadas”, já a área do capital humano foi responsável por 6,1% das queixas apresentadas na altura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Denúncias de fraudes nos fundos têm novo espaço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião