Caldeira Cabral: Exportações vão ter peso recorde no PIB em 2017

  • ECO
  • 9 Janeiro 2018

O ministro da Economia considera que 2017 vai ser um ano recorde em vários indicadores comerciais, o que mostra a vitalidade da economia nacional.

O ano de 2017 terá sido de recordes para vários indicadores comerciais, incluindo o peso das exportações no PIB. Quem o afirma é Manuel Caldeira Cabral, utilizando como prova os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística, que apontam para um avanço de mais de 10% das exportações no mês de novembro.

“Os dados do INE que saíram hoje sobre as exportações de mercadorias garantem já que 2017 vai ser o ano com maiores exportações de sempre em Portugal. Não só com maior volume, mas também com o maior peso das exportações no PIB”, afirmou o ministro da Economia em Frankfurt. As declarações, divulgadas pelo Jornal de Negócios, foram prestadas na maior feira têxtil do mundo, a Heimtextil.

“As empresas estão a conseguir aumentar as exportações e conquistar mercados externos. E a par do crescimento da procura interna, o que significa que o crescimento da procura interna e o crescimento do rendimento dos portugueses é perfeitamente compatível com o reforço da competitividade”, acrescentou ainda. Estes dois avanços farão de 2017 “um ano muito positivo para a economia portuguesa e para os portugueses”.

Ainda que Caldeira Cabral tenha aplaudido os números divulgados esta terça-feira, nem tudo são boas notícias. Até novembro, o saldo comercial piorou 2.632 milhões de euros face ao mesmo período de 2016. Na maior parte do ano, as importações — que têm uma base superior — foram aumentando a um ritmo superior das exportações, justificando este agravamento do défice comercial de bens.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral: Exportações vão ter peso recorde no PIB em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião