ADSE quer cortar nos pagamentos a privados

  • ECO
  • 11 Janeiro 2018

A ADSE quer poupar 29,7 milhões anualmente. Poupanças nas próteses intraoperatórias recairão sobre os privados.

A ADSE surge com novas tabelas, que garante reduzirem custos tanto para os beneficiários como para o próprio subsistema de saúde. Poupanças nas próteses intraoperatórias recairão sobre os privados. A ADSE pede o parecer urgente do Conselho de Supervisão, relembrando que os atrasos pesarão no orçamento.

A ADSE quer poupar 29,7 milhões anualmente. Pretende consegui-lo limitando a quantia entregue aos privados pelas lentes intraoculares, fixando o preço dos procedimentos cirúrgicos e com uma renovada gestão dos transportes e medicamentos. Estas alterações deverão aliviar os beneficiários em 12,6 milhões de euros.

Se o Conselho Geral e de Supervisão der parecer favorável eu publico a tabela nos próximos 15 dias“, diz Carlos Liberato Batista, diretor-geral da ADSE, ao Jornal de Negócios (acesso pago). Os representantes dos beneficiários já demonstraram o receio de que as novas tabelas acabem por beneficiar os privados, mas Carlos Batista nega: “Em nenhum caso há aumentos de encargos para os beneficiários, nem para a ADSE“.

As novas tabelas já deveriam estar em vigor desde o primeiro dia de janeiro. Agora, só será possível a partir de março, o prazo mais otimista. “O atraso na sua implementação representa custos significativos para a ADSE e para os seus beneficiários“, relembra a direção do subsistema de saúde ao Conselho Geral de Supervisão, a quem pede um parecer urgente para a reunião desta quinta-feira. Fala em encargos de 3,5 milhões por cada mês sem a atualização.

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE quer cortar nos pagamentos a privados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião