Wall Street volta aos ganhos. Xerox e Delta puxam pela bolsa

  • ECO
  • 11 Janeiro 2018

Bolsa voltou para terreno positivo, depois de ter registado a primeira descida do ano. Subida do petróleo e alívio dos receios em torno da compra de obrigações pela China estimulam investimento.

Depois de ter encerrado no vermelho, esta quinta-feira, Wall Street volta aos ganhos. No início da sessão, os principais índices beneficiavam de uma ligeira valorização.

O industrial Dow Jones abriu a subir 0,34% para os 25.456 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq crescia 0,31% para os 7.175,75 pontos. O índice de referência S&P 500 confirmou a tendência, valorizando 0,24% para os 2.754,94%.

A desmitificação da hipótese da China abrandar a compra de Obrigações do Tesouro norte-americanas deu aos investidores a oportunidade de se focarem nos relatórios dos ganhos trimestrais e no aumento dos preços do petróleo, abrindo, consequentemente, os cordões à bolsa.

“[As negociações] estão de volta a um modo geralmente positivo“, sublinhou Scott Brown, economista chefe, da Raymon James, citado pela Reuters.

Em destaque, no início desta sessão, estiveram a Delta Airlines, cujo títulos subiam 2,44% para 57,21 dólares — os seus lucros do último trimestre bateram as expectativas, o que justifica os ganhos — e a Xerox, cujas ações valorizavam 3,86% para 31,52 dólares. O acordo esperado entre esta americana e a japonesa Fujifilm Holdings será a causa desta valorização significativa.

A mitigar este otimismo esteve o anúncio da intenção de Donald Trump divulgar brevemente a saída do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio. “É muito disruptivo. Temos visto muitas empresas preocupadas com o futuro da sua cadeia de fornecedores e muitas tentaram asseguram alternativas”, assinalou Brown.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street volta aos ganhos. Xerox e Delta puxam pela bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião