Sindicatos criticam novos indicadores da Anacom para CTT e dizem que vêm tarde

  • Lusa
  • 12 Janeiro 2018

Sindicalistas consideram que os novos indicadores de qualidade propostos pelo regulador vêm tarde e vão piorar a qualidade do serviço dos CTT.

Os sindicatos dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços (SINDETELCO) e dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTCT) consideraram que os novos indicadores de qualidade propostos pelo regulador de telecomunicações vêm tarde e vão piorar o serviço.

Falando na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, no parlamento, o dirigente do SINDETELCO José António Arsénio apontou que “só agora” é que a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) “vem dizer que agora vai ser a sério”.

“Não pode ser quatro anos depois da privatização [dos CTT] que o regulador vem dizer que daqui a seis meses [data prevista para entrada em vigor] é que vai começar a sério”, reforçou o sindicalista.

"Não pode ser quatro anos depois da privatização que o regulador vem dizer que daqui a seis meses [data prevista para entrada em vigor] é que vai começar a sério.”

José António Arsénio

Dirigente do SINDETELCO

Pelo SNTCT, Vítor Narciso considerou que os novos padrões vão “piorar a qualidade do serviço”, já que “vão admitir mais atrasos” na entrega do correio.

Na quinta-feira, a Anacom divulgou 24 novos indicadores de serviço dos CTT até 2020, visando garantir um “maior nível de qualidade do serviço postal universal”, através de “metas mais exigentes”, como uma “meta de fiabilidade que deverá ser cumprida em 99,9% dos casos”.

A diferença, segundo o regulador, é que passa a ser “obrigatório o cumprimento do valor do objetivo fixado para cada indicador”, enquanto se estabelecia um limiar mínimo.

Assim, no caso do correio azul – cuja meta foi apontada pelo SNTCT por passar de “três para cinco” – as novas regras definem que 94,5% da correspondência chegue ao continente num dia e 99,9% em três dias, enquanto atualmente se estabelece o prazo de um dia, mas que tem um limite mínimo de 93,5%.

Os responsáveis estavam a ser ouvidos no seguimento de um requerimento do PS sobre as responsabilidades contratuais da concessão.

Em dezembro passado, os CTT divulgaram um Plano de Transformação Operacional, que prevê a redução de cerca de 800 trabalhadores na área das operações em três anos, um corte de 25% na remuneração fixa do presidente do Conselho de Administração e do presidente executivo, além da otimização da implantação de rede de lojas, através da conversão de lojas em postos de correio ou do fecho de lojas com pouca procura.

Falando sobre a situação da empresa, José António Arsénio do SINDETELCO argumentou que o contrato de concessão do serviço postal universal, em vigor até 2020, “não está a ser cumprido”, registando valores “até abaixo dos mínimos”.

“A distribuição não é feita diariamente e não se cumpre a densidade, por não haver presença em todos os concelhos”, precisou.

A seu ver, o decréscimo no serviço postal “não pode ser justificação”, já que “quem comprou ações sabia o que estava a comprar”.

Sobre multas do regulador aos CTT, o dirigente duvidou da eficácia, alegando que “compensa mais pagá-las do que cumprir o contrato e contratar pessoas para distribuir o correio”.

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicatos criticam novos indicadores da Anacom para CTT e dizem que vêm tarde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião