Chineses investem 64 milhões em centro de saúde em Estremoz

  • Lusa
  • 15 Janeiro 2018

O complexo vai ser construído num terreno a disponibilizar pelo município, situado entre o parque de feiras e o Estádio Municipal de Estremoz, no distrito de Évora.

Uma empresa de capitais chineses prevê investir cerca de 64 milhões de euros na construção de um complexo residencial na área da saúde e bem-estar em Estremoz (Évora), disse hoje o presidente do município, Luís Mourinha.

O autarca indicou à agência Lusa que o empreendimento, denominado “Concorde Enclave” e cujas obras devem começar este ano, representa “o maior investimento de sempre em Estremoz”, estando prevista a criação de cerca de 200 postos de trabalho, após começar a funcionar.

O investimento é da responsabilidade da empresa Prospect Time International Investment (Portugal), Lda., com sede em Elvas, que tem como empresa-mãe a Prospect Time International Investment Limited, com sede em Hong Kong, China.

O presidente do município explicou que o “Concorde Enclave” inclui um centro de saúde e bem-estar, centro de negócios, comércio e serviços industriais relacionados com a hotelaria, centro de entretenimento, complexo residencial, centro médico e clínicas, restaurante e um centro de apreciação de artes.

Segundo o autarca, o conceito de design para o espaço do “Concorde Enclave” consiste em ser uma área “amiga do ambiente”, equipada com as “últimas inovações mundiais” em matéria de inteligência artificial e novas tecnologias.

O acordo de colaboração entre a Câmara de Estremoz e a Prospect Time International Investment (Portugal) Lda. foi aprovado, por unanimidade, na mais recente reunião do executivo municipal.

O acordo prevê que o município disponibilize uma parcela de terreno, até ao máximo de sete hectares de área, enquanto a empresa fica responsável por efetuar o projeto e instalar o complexo residencial na área da saúde e bem-estar.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Chineses investem 64 milhões em centro de saúde em Estremoz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião