Altice cria conselho consultivo para mediar relação com os sindicatos

  • Lusa
  • 19 Janeiro 2018

A Altice anunciou a criação de um novo órgão interno que servirá de ponte entre a empresa e os representantes dos trabalhadores. Novo conselho consultivo pretende alcançar "paz social" na empresa.

A Altice Portugal vai criar um conselho consultivo para as relações laborais e sindicais, órgão que vai servir de ponte entre os trabalhadores e a empresa, numa tentativa de conseguir “paz social” e de gerar “consensos”, anunciou a empresa esta sexta-feira. “Com a criação do novo órgão, […] a Altice Portugal pretende aumentar a eficiência nas relações entre os trabalhadores e a empresa, promovendo uma maior capacidade de alcançar paz social, o estabelecimento de pontes e geração de consensos”, informa a empresa, em comunicado.

A Altice acrescenta que “este conselho consultivo atuará no âmbito das funções que lhe foram destinadas num regime de independência e imparcialidade”. O anúncio foi feito numa reunião que ocorreu durante a tarde entre estruturas representativas dos trabalhadores e o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, contando ainda com o membro do comité executivo e diretor do departamento institucional, João Zúquete da Silva.

“No desenrolar da ordem de trabalhos, foi pedida a necessária flexibilidade e esforço no entendimento sobre as diferentes matérias numa conjuntura económico-social que exige lealdade e responsabilidade”, refere a empresa na nota de imprensa. Citado no comunicado, Alexandre Fonseca diz esperar que, “em estreito entendimento com os representantes sindicais”, seja possível “acrescentar, construir e aproximar ainda mais as perspetivas e decisões da empresa dos colaboradores e das suas ambições”.

A reunião, a terceira desde que Alexandre Fonseca tomou posse, foi solicitada pelas estruturas representativas dos trabalhadores para discutir o regime de dispensa de assiduidade respeitante aos colaboradores em mobilidade. Sobre esta questão, a Altice garante “total normalidade e licitude da renovação da dispensa de assiduidade devidamente enquadrada na lei laboral”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice cria conselho consultivo para mediar relação com os sindicatos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião