Moscovici sobre Centeno: “O Ronaldo das Finanças marcou golo logo na primeira reunião”

O comissário europeu para os Assuntos Económicos elogiou Mário Centeno na sua primeira reunião como presidente do Eurogrupo, recorrendo à comparação a Cristiano Ronaldo.

Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros.

Mário Centeno — que ao nível europeu tem sido comparado com Cristiano Ronaldo — teve sucesso na sua primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. O elogio é de Pierre Moscovici, o comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros: “O Mário, que é o Ronaldo da economia portuguesa, marcou um golo logo na primeira reunião“. Esta segunda-feira, na conferência de imprensa após a reunião, Moscovici fez questão de dizer que a Comissão Europeia apoia a presidência de Centeno.

“Posso dizer que o Mário tem o meu apoio enquanto amigo, mas também da Comissão Europeia enquanto comissário”, começou por dizer Pierre Moscovici, elogiando o início da presidência de Centeno. A primeira reunião do ministro das Finanças português ficou marcada pelas “boas notícias” vindas da Grécia. “Chegamos a um acordo político”, anunciou Mário Centeno, relativamente ao terceiro programa de ajustamento cuja quarta tranche chegará aos 6,7 mil milhões de euros.

Contudo, o Eurogroup Working Group — que agora será presidido por Hans Vijlbrief — terá de verificar nas próximas semanas se a Grécia cumpriu as medidas acordadas. Olhando para o futuro, Centeno pediu “uma estratégia holística para o crescimento económico”, falou dos alívios à dívida grega e referiu que serão tomados os últimos passos para fechar o programa de ajustamento, o que deverá acontecer em agosto.

Além da Grécia, Portugal também esteve na agenda. Como Centeno tinha antecipado ao início da tarde — enquanto presidente do Eurogrupo tinha saudado os desenvolvimento da economia portuguesa –, os elogios também chegaram a Lisboa, mas pela voz de Moscovici. O comissário europeu diz que este é “outro golo” de Mário Centeno: a economia a acelerar, o desemprego a cair — está inferior à média da zona euro — e a melhoria do rating da República.

Isso não significa que está tudo terminado ou sob controlo“, alertou Pierre Moscovici, assinalando que o elevado rácio de crédito malparado, a contínua necessidade de consolidação orçamental e o rácio elevado de dívida pública continuam a ser desafios para a economia portuguesa. A ajudar esta trajetória estarão os pagamentos antecipados ao FMI que em 2018 deverão chegar aos 800 milhões de euros, uma medida elogiada por Klaus Regling, diretor do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que estava ao lado de Centeno e Moscovici na conferência de imprensa.

Entre as novidades da reunião desta segunda-feira está a eleição de Hans Vijlbrief enquanto presidente do Eurogroup Working Group, liderado por Thomas Wieser desde 2012. O holandês começará a 1 de fevereiro o mandato de dois anos. Vijlbrief será responsável por preparar os encontros do Eurogrupo e coordenar os assuntos da Zona Euro.

Além disso, começou o procedimento para a eleição de um novo vice-presidente para o Banco Central Europeu que irá substituir o português Vítor Constâncio. Neste momento os países têm de apresentar os seus candidatos. Já é esperado que Espanha apresente o seu candidato, sendo que o tem de fazer até 7 de fevereiro.

Segundo Mário Centeno, a votação final será a 19 e 20 de fevereiro, seguindo-se depois audições no Parlamento Europeu. Constâncio termina o mandato a 31 de maio. Questionado sobre a posição do Parlamento Europeu sobre a necessidade de ter mulheres em cargos altos da União Europeia, o presidente do Eurogrupo destacou que o importante é a “competência” dos candidatos.

O Eurogrupo volta a reunir no dia 19 de fevereiro. No final da sua intervenção, Centeno fez questão de dizer que sente um “forte espírito de equipa” e um “objetivo comum” no grupo que preside. “Farei o meu melhor para ajudar a promover as mudanças que irão tornar a zona euro mais forte”, concluiu o presidente do Eurogrupo.

(Notícia atualizada às 20h14 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici sobre Centeno: “O Ronaldo das Finanças marcou golo logo na primeira reunião”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião