Exclusivo O que é feito da Chofer, a “Uber portuguesa”? Diz que foi “alvo de fraude”

A Chofer foi lançada em agosto como a primeira empresa portuguesa a concorrer com a Uber, mas já não terá carros em Lisboa. Motoristas reclamam dívidas, mas a empresa diz que foi "alvo de fraude".

A Chofer diz que foi “alvo de fraude” e já pediu desculpa, de acordo com um email a que o ECO teve acesso. Saiba o que é feito da startup portuguesa que veio ao mundo para concorrer com a Uber.Chofer

Nasceu como a primeira concorrente portuguesa da Uber. Mas… o que é feito da Chofer? Apesar da cobertura mediática que a aplicação teve quando foi lançada em agosto, pouco mais se ouviu falar dela. Quando se tenta chamar um motorista em Lisboa, não só não existe mapa como surge a indicação: “Não existem veículos disponíveis.” Num breve contacto com a empresa, é indicado que plataforma está “com problemas a nível do Google Maps”. Mas a Chofer também diz que foi “alvo de fraude”.

A Chofer é uma aplicação de transporte privado apresentada ao público no primeiro dia de agosto de 2017. “É a primeira startup portuguesa prestadora de serviços eletrónicos na área do transporte privado urbano e baseada em tecnologia disruptiva através de aplicações móveis”, lia-se numa nota enviada à imprensa. Como mercado inicial, as cidades de Lisboa, Porto e Algarve. Era ainda anunciada “para breve a expansão internacional para os mercados de Espanha, Brasil, Reino Unido e Rússia”. Nesse mesmo dia, a aplicação começou a funcionar em Portugal.

Foi em setembro que surgiram as primeiras queixas: a Chofer não estaria a pagar o prometido. No dia 16, surgia uma primeira denúncia no Portal da Queixa: “Não pagam a quem garantiram que pagavam”, lê-se no título de um caso exposto por Joaquim Alberto, que terá sido motorista ao serviço da aplicação. No mesmo dia, o ECO recebia também, por email, uma queixa de um parceiro da Chofer: “Não pagam o que prometeram e estão em irregularidade.” A 9 de outubro, nova queixa no portal. O título? “Falta de pagamento.” “Não fizeram a transferência, alegando que estão a tentar cobrar ao cliente”, indicava a publicação.

“Não existem veículos disponíveis”, lê-se na aplicação da Chofer. Também não há mapa.Chofer

Os alarmes começaram a tocar nas comunidades de motoristas de plataformas eletrónicas — que, em alguns casos, trabalham para vários serviços ao mesmo tempo, como a Uber, a Cabify e, mais recentemente, a Taxify. Mensagens foram trocadas em grupos no WhatsApp. Contactos terão sido feitos com a empresa. Parceiros reclamaram o pagamento dos chamados “incentivos de lançamento”. Alguns foram pagos, outros não terão sido. Numa reclamação à empresa, um parceiro queixou-se de não ter recebido os pagamentos a que teria direito. Na resposta, a que o ECO teve acesso, a empresa escreve: “Relativamente aos incentivos dos motoristas, todos os incentivos já foram liquidados, pelo que caso não tenha recebido é porque não atingiu os objetivos definidos”, respondeu a Chofer. De qualquer forma, a empresa mostrou-se disponível para “analisar o caso específico”.

A 22 de novembro, a Chofer admitiu finalmente a existência de problemas com os pagamentos e fez um mea culpa numa mensagem enviada a motoristas e parceiros, a que o ECO teve acesso. O email tem o título “Um pedido de desculpa!”, e começa assim: “Certamente já teve conhecimento de algumas viagens que não foram pagas aos motoristas da nossa plataforma Chofer. Antes de mais, gostaríamos de lhe pedir desculpa e dar um esclarecimento a respeito desta situação.”

No email, a empresa garante que “foi alvo de fraude por parte de alguns motoristas e utilizadores”. Estas situações terão resultado em “viagens não cobradas e, consequentemente, não pagas aos motoristas”, refere a companhia. “Estamos neste momento a regularizar todos os pagamentos aos motoristas, mesmo não tendo recebido o dinheiro dessas mesmas viagens. Assumiremos o erro e o problema causado e queremos obviamente que se sinta confortável e confiante em trabalhar com a nossa empresa”, indica também a mensagem.

A Chofer sublinha ainda que desenvolveu “uma funcionalidade de segurança” para assegurar que, agora, “todas as viagens realizadas são cobradas aos utilizadores”, evitando “situações de fraude ou não pagamento de viagens”. “Gostaríamos muito de contar com a sua ajuda. Ao estar disponível para realizar viagens, estará a contribuir para que todos os nossos passageiros possam beneficiar destas ofertas e experimentar o serviço da Chofer. Continuamos a trabalhar no sentido de tornar a aplicação Chofer o mais robusta e fiável possível para todos os nossos motoristas e utilizadores”, conclui a empresa.

Estamos neste momento a regularizar todos os pagamentos aos motoristas, mesmo não tendo recebido o dinheiro dessas mesmas viagens.

Chofer

Mensagem enviada aos parceiros e motoristas

Mas o que aconteceu?

A contribuir para o problema terá estado um esquema que resultou em viagens reais por cobrar e outras viagens fraudulentas. Alguns utilizadores terão viajado através da Chofer usando como método de pagamento um cartão de crédito descartável MBNet. São cartões virtuais que, apesar de funcionarem como cartão de crédito, podem ter um montante limite para as transferências. Alguns podem mesmo só ser usados numa única operação.

Até aqui tudo bem. O método de pagamento MBNet é amplamente usado na própria Uber. No entanto, alguns utilizadores terão efetuado viagens longas com cartões bloqueados no limite mínimo, que é de cinco euros. Ao tentar cobrar serviços de valores superiores junto destes utilizadores, as operações terão sido rejeitadas, ficando as viagens por cobrar. Mas mesmo assim, a empresa seria capaz de chegar até ao titular, uma vez que os cartões são registados pela SIBS e os respetivos números mantêm-se associados a um cliente em concreto.

No entanto, a fraude que afetou a Chofer terá ido ainda mais além. Alegadamente, alguns motoristas terão usado uma metodologia semelhante para reclamarem créditos junto da empresa a que não tinham direito, simulando viagens que nunca foram cobradas, explicou ao ECO uma fonte do mercado. A dificuldade em separar o trigo do joio terá resultado num complexo imbróglio para a empresa.

Outra prática fraudulenta terá sido o “uso abusivo de vales de viagem”. Em dezembro, a Chofer expandiu-se para Aveiro, Braga, Coimbra, Leiria, Madeira e São Miguel. Mas, pelo menos atualmente, já não estará a operar de forma significativa em Lisboa, Porto ou mesmo São Miguel, ilha onde, por vezes, só existe um motorista disponível.

Este problema foi confirmado ao ECO pela própria empresa, momentos depois da publicação deste artigo. “Apesar de os nossos parceiros serem selecionados segundo alguns critérios, existiram algumas situações identificadas como fraudulentas, envolvendo alguns motoristas e utilizadores, sendo a que descreve uma delas”, indicou fonte oficial da empresa. “Os parceiros que praticaram atos fraudulentos já foram identificados e estão de momentos impedidos de usar os nossos serviços, e (…) o departamento jurídico está a analisar o tema”, acrescentou.

Questionado acerca da inexistência de motoristas em Lisboa, um operador da Chofer disse ao ECO que a aplicação está “com problemas a nível do Google Maps”.Chofer

Luís Gomes, proprietário de uma empresa parceira da Uber, garante que, cerca de dois meses depois das desculpas enviadas pela Chofer, ainda não recebeu o pagamento das dívidas que reclama. “Garantidos e confirmados, a mim devem-me mais de 3.000 euros”, comenta, em conversa com o ECO. Desdobra-se em críticas à empresa, afirmando que “não tem estrutura para realizar uma operação desta envergadura”. E refere que, logo na primeira semana de agosto, a aplicação terá tido um problema que resultou no reset dos contadores de horas dos seus motoristas, informação que o ECO não conseguiu confirmar. Outro ex-parceiro da Chofer garante ao ECO que a empresa lhe estará a dever cerca de 300 euros, mas já desistiu de tentar reaver o montante a que diz ter direito.

"Garantidos e confirmados, a mim devem-me mais de 3.000 euros.”

Luís Gomes

Proprietário de empresa parceira da Chofer

Ao ECO, a empresa garante, por seu lado, que “os valores pagos pelos utilizadores” têm sido “liquidados semanalmente junto dos parceiros”. “A Chofer incentiva os seus parceiros atribuindo-lhes prémios sob a forma de viagens ou outros, em função de critérios definidos”, refere. A Chofer foca-se também num parceiro que, diz, “tem usado vários meios para denegrir a imagem” da empresa e refere que a questão está a ser analisada pelo “departamento jurídico”. “No caso específico deste parceiro, o mesmo não atingiu os objetivos/critérios definidos para a campanha, pelo que não recebe o incentivo definido”, justifica uma vez mais a companhia.

Quem é responsável pela Chofer?

Em agosto, o jornal Observador dava conta do lançamento da Chofer, a “primeira Uber portuguesa”. “Não querem dar a cara, mas os fundadores da Chofer arrancam esta terça-feira com aquela que é a primeira empresa portuguesa a fazer concorrência à Uber e à Cabify”, lê-se no artigo. De facto, são poucas as indicações públicas acerca da origem e dos responsáveis da companhia. Na loja Play Store da Google, a aplicação é da responsabilidade da JDSM Unipessoal Lda., uma empresa sedeada em Lisboa com Ângela Sofia Gonçalves Simões como única sócia.

A plataforma tecnológica da Chofer foi desenvolvida pela 4All Software, uma empresa de software com sede em Vila do Conde. Ora, apesar dos problemas “a nível do Google Maps” informados pela empresa, a 4All Software não tem conhecimento destas falhas técnicas, apurou o ECO junto de fonte familiarizada com o assunto. A não existência de motoristas disponíveis em Lisboa será, acrescentou a mesma fonte, “uma questão ao nível das operações”.

Mesmo assim, a Chofer garante que está indisponível devido a “uma dificuldade técnica que a equipa” está a procurar resolver “nas próximas horas”. “Relativamente à nossa operação, de momento a Chofer está presente em várias cidades portuguesas com vários motoristas disponíveis, prevendo-se para 2018 a chegada a mais cidades, nomeadamente no interior do país”, aponta também. Por fim, garante que “tem registados mais de 1.000 motoristas” em Portugal, mas rejeita revelar o número de viagens realizadas, “por uma questão estratégica”.

(Notícia atualizada às 17h50 com respostas da Chofer às questões enviadas pelo ECO)

Comentários ({{ total }})

O que é feito da Chofer, a “Uber portuguesa”? Diz que foi “alvo de fraude”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião