Época de resultados anima Wall Street. Nasdaq brilha

  • Rita Atalaia
  • 23 Janeiro 2018

As principais bolsas norte-americanas encerraram a sessão no verde, acompanhando a maré de ganhos de várias cotadas. Isto depois de terem sido divulgados resultados acima do esperado.

Wall Street terminou a sessão no verde. E graças ao otimismo em torno da época de resultados. Os principais índices bolsistas registaram ganhos, mas o principal destaque foi para o Nasdaq. O índice tecnológico apanhou boleia da subida de 13% da Netflix, tocando um novo máximo, depois de a empresa ter apresentados resultados fortes.

No último trimestre do ano passado, o serviço de streaming superou as expectativas dos investidores, arrecadando mais dois milhões de subscritores do que o previsto e triplicando os seus lucros. Na sessão da bolsa de Wall Street, esses resultados fizeram com que a Netflix atingisse pela primeira vez uma capitalização bolsista de 100 mil milhões de dólares (cerca de 81,7 mil milhões de euros).

Neste contexto, o Nasdaq subiu 0,71% para 7.460,29 pontos, um recorde. Já o S&P 500 valorizou 0,22% para 2.389,16, também animado pela época de resultados: das 68 empresas no índice que já apresentaram as contas, 76,5% superaram as expectativas dos analistas, segundo dados da Thomson Reuters.

Apenas o industrial Dow Jones não seguiu esta tendência. O índice recuou 0,01% para 26.210,81 pontos. Isto depois de a Johnson & Johnson e a Procter & Gamble terem caído quase 4%. As duas empresas desiludiram o mercado com números abaixo do previsto.

“Pensamos que [a tendência dos resultados] vai continuar a ser boa e as nossas previsões para o resto do ano são positivas”, afirma Mike Baele, diretor executivo da U.S. Bank Private Client Wealth Management, à Reuters.

“As ações vão continuar a beneficiar do otimismo em torno dos resultados que se tem vivido nos últimos 18 meses nos EUA e lá fora”, afirma Marc Chaikin, CEO da Chaikin Analytics. Até agora, as ações têm respondido positivamente, acrescenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Época de resultados anima Wall Street. Nasdaq brilha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião