Grupo de Esquerda defende fim das taxas moderadoras e mais verbas

  • ECO
  • 23 Janeiro 2018

Grupo que junta Manuel Alegre, Helena Roseta, Ricardo Sá Fernandes e médicos e enfermeiros no ativo propõe revisão da Lei de Bases da Saúde.

Um grupo de figuras de esquerda que junta médicos, enfermeiros, políticos e sociólogos propõe linhas orientadoras para a revisão da Lei de Bases da Saúde. Entre os subscritores, 52 no total, estão nomes como os de Manuel Alegre, Marisa Matias, Helena Roseta, Ricardo Sá Fernandes e também vários médicos e enfermeiros no ativo, escreve o jornal Público na edição desta terça-feira.

O grupo defende o fim das taxas moderadoras, mais recursos humanos, financiar hospitais e centros de saúde. Os princípios e orientações para a revisão da Lei de Bases da Saúde passam ainda pela extinção das atuais administrações regionais de saúde. No seu lugar, os proponentes da revisão da lei de bases defendem a criação de organizações intermunicipais que juntem serviços de saúde com escolas, segurança social e autarquias.

“Este documento propõe a divisão da Lei de Bases da Saúde em dois capítulos: política de saúde e a organização do sistema de saúde. Propomos que se dê um enfoque particular na promoção da saúde e na prevenção da doença, na cobertura e no acesso”, refere o médico especialista em saúde pública, Cipriano Justo, um dos promotores do documento com as linhas orientadoras.

Outra das soluções preconizadas por este movimento, que se iniciou com um manifesto em defesa do Serviço Nacional de Saúde e uma petição para a revisão da Lei de Bases da Saúde — que reuniu mais de 4 mil assinaturas — e que está na comissão parlamentar de saúde, é acabar com as listas de espera. Para isso, assegura ao Público, este especialista em saúde pública é preciso que o “financiamento está de acordo com as necessidades identificadas pelos serviços prestadores de cuidados de saúde”.

Quanto ao fim das taxas moderadoras, o especialista refere: “Nós propomos a gratuitidade das prestações. O exercício que devemos fazer é retirar todos os obstáculos ao acesso aos cuidados de saúde. E um deles é a cobertura, outro o acesso em termos de recursos disponíveis para o contacto direto e o outro são as taxas moradoras. Só retirando estas barreiras é que provavelmente conseguiremos, no plano do acesso, ver resolvidos problemas com que agora nos confrontamos.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo de Esquerda defende fim das taxas moderadoras e mais verbas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião