Revista de imprensa internacional

Nos Estados Unidos comemora-se o fim do shutdown,enquanto o regulador britânico trava tentativa de expansão de Murdock. Carrefour anuncia corte de 2400 empregos e Espanha tentar travar Puigdemont.

Nos Estados Unidos chegou ao fim o “shutdown“. O acordo do senado norte-americano permite reabrir os serviços públicos do país que estiveram fechados durante três dias até ao início de fevereiro. Já no Reino Unido, os reguladores confirmam que os tempos não estão de feição para Rupert Murdoch. Depois das acusações de assédio sexual nos Estados Unidos, o magnata vê agora gorada a tentativa de compra da Sky.

No mundo empresarial, a gigante Carrefour apresentou o seu plano estratégico até 2022 e vai cortar 2.400 empregos, um número mais baixo do que o previsto pelos sindicatos. Em Espanha, Luís de Guindos viu o recém-empossado presidente do Eurogrupo dar uma mãozinha nas suas ambições de ser vice-presidente do BCE. Já Carles Puigdemont continua na berlinda: agora é o ministro do Interior espanhol a garantir que tudo farão para evitar a entrada do ex-líder catalão em Espanha.

Expansion

Centeno dá a mão a De Guindos para a vice-presidência do BCE

O presidente do Eurogrupo deu uma “mão” às aspirações de Luis de Guindos para o cargo de vice-presidente do BCE. Segundo escreve o jornal espanhol Expansion, Mário Centeno terá desvalorizado a questão do género, um dos pontos débeis da candidatura do ministro da Economia espanhol uma vez que entre os seis membros do comité executivo do BCE só existe uma mulher. Centeno, durante a sua primeira conferência de imprensa como presidente do Eurogrupo, afirmou que o foco tem de estar na mais-valia do candidato. “Avaliaremos os candidatos baseando-nos nas suas habilidades e competências para desempenhar a função”. Leia a notícia completa no Expansion (acesso livre, conteúdo em espanhol)

Le figaro

Carrefour corta 2400 empregos

A Carrefour apresentou hoje um plano de corte de custos na ordem dos 2 mil milhões de euros a partir de 2020. O anúncio foi feito esta terça-feira, pelo presidente executivo da empresa Alexandre Bompard, que chegou ao grupo em julho passado. O plano denominado de “Carrefour 2022” passa ainda por reduzir 2.400 postos de trabalho, um valor abaixo do estimado pelos sindicatos, e investir 2,8 mil milhões de euros em cinco anos para finalmente levar a empresa à mudança digital. O novo plano estratégico inclui ainda uma parceria com a chinesa Tencent. Leia a notícia completa em Le Figaro (acesso livre, conteúdo em francês)

The New York Times

Fim do shutdown americano

O Senado norte-americano chegou a acordo, permitindo reabrir os serviços públicos do país depois de três dias de paralisação. O Senador Schumer e o líder republicano do Senado, Mitch McConnel chegaram a acordo relativamente ao decreto que viabilizará um novo financiamento de curto prazo do Governo federal, desta vez até 8 de fevereiro, e ainda um plano que aborda a questão dos Dreams. Leia a notícia completa em The New York Times (acesso livre/contéudo em inglês)

Bloomberg

Regulador britânico trava aquisição da Sky por Murdoch

O regulador britânico travou a compra da Sky pela 21 st Century Fox, empresa de Rupert Murdoch, afirmando que o acordo daria grande controlo dos media britânicos. O negócio estava avaliado em 11,7 mil milhões de libras (cerca de 13,3 mil milhões de euros). O relatório preliminar da CMA (Competition and Markets Authority) diz que a proposta de compra não serve o interesse público. A Fox já se pronunciou, tendo-se mostrado desapontada. Leia a notícia completa em Bloomberg (acesso reservado/ contéudo em inglês)

El País

Segurança espanhola tenta travar entrada ilegal de Puigdemont

As forças de segurança de Espanha estão a trabalhar nas fronteiras para impedir que o ex-presidente catalão, Carles Puigdemont, entre no país de forma ilegal para a sessão de investidura do Parlamento. A garantia é de Juan Ignacio Zoido, ministro do Interior que acrescenta: “Vamos procurar que não possa entrar nem sequer no porta bagagens do carro”.

Para Zoido, “Puigdemont está instalado numa conduta de irresponsabilidade que está a chegar a uns limites inapropriados”. Leia a notícia completa em El País (acesso livre/ conteúdo em português)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião