Banca financia parte dos 250 novos autocarros da Carris

  • ECO
  • 24 Janeiro 2018

Empresa que agora está na esfera da Câmara de Lisboa vai financiar parte da renovação da frota com recurso à banca e a entidades europeias. Valor do financiamento ascende a 16,4 milhões de euros.

A Carris vai comprar 250 novos autocarros recorrendo, em parte, a financiamento bancários e de entidades europeias, num valor que pode ascender este ano a 16,4 milhões de euros, no curto e médio prazo, escreve o Jornal de Negócios na edição desta quarta-feira.

A empresa, que a partir de 2017 passou a ser detida pela Câmara de Lisboa, adianta no plano de atividades e orçamento para 2018 que a política de investimentos futuros, centrada na renovação da sua frota de autocarros, que no global deverá rondar os 63,8 milhões de euros, para o período 2018/2019 “será parcialmente financiada por recurso a financiamento comunitário e por recurso ao financiamento bancário”.

A renovação da frota da Carris prevê a entrada ao serviço de 350 autocarros ao longo dos próximos quatro anos, tendo a empresa já visto aprovado uma candidatura para a aquisição de veículos elétricos e a gás natural no âmbito do POSEUR-Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos.

Para além do financiamento destes 16,4 milhões de euros de financiamento previsto para 2018, o documento da Carris refere ainda mais 44,9 milhões de euros de financiamento previsto para 2021.

A dívida da empresa ultrapassava, em 2016, os 632 milhões de euros, tendo sido assumida pelo Estado no âmbito da passagem da Carris para a esfera municipal. A empresa fechou o ano de 2016, com prejuízos de 6,9 milhões de euros e estima ter fechado 2017 com um resultado positivo de 775 mil euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca financia parte dos 250 novos autocarros da Carris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião