Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 24 Janeiro 2018

Trudeau quer mostrar que pode ser tudo o que Trump não é. Prova disso são as críticas ao capitalismo agressivo e o renascimento do TPP. Musk aceita mais um desafio. A indústria solar sofre novo golpe.

Há dois tipos de líderes na América do Norte: os que pensam que as alterações climáticas são um mito, ameaçam a energia solar com impostos, desprezam os acordos comerciais e comem cheeseburgers, na cama, frente aos seus três ecrãs. E os que querem mostrar que são o completo oposto do primeiro: reanimando essas parcerias comerciais e criticando o capitalismo agressivo. Adivinha qual é qual? No setor automóvel, Elon Musk mostra, mais uma vez, que é um homem de desafios e aceita trabalhar de graça, na próxima década. O prémio em jogo? Um bónus que o colocaria no topo do pódio dos homens mais ricos do mundo. Ainda nos Estados Unidos, a gigante da brincadeira — Toys”R”Us — vive momentos muito pouco divertidos.

The Guardian

Elon Musk aceita desafio: vai trabalhar de graça

Elon Musk aprecia um bom desafio. Desta vez, colocou os olhos no topo do pódio dos homens mais ricos e… concordou em passar os próximos dez anos a trabalhar sem remuneração para a Tesla. Se, no fim desse período, conseguir que o valor da marca de automóveis que lidera atinja os 650 mil milhões de dólares (pouco mais de 529,8 mil milhões de euros), o empreendedor receberá um bónus de 55,8 mil milhões de dólares (quase 45,5 mil milhões de euros) e irá provavelmente consagrar-se o homem mais rico do mundo.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre / conteúdo em inglês).

Financial Times

Trudeau quer ser tudo o que Trump não é

Justin Trudeau quer mostrar que pode ser tudo o que Donald Trump não é. Em Davos, o primeiro-ministro canadiano revelou que está a tentar convencer os Estados Unidos dos benefícios do Tratado de Livre Comércio e confirmou que o Canadá está a terminar as negociações para um novo acordo com os países do Pacífico (agora que os norte-americanos romperam a sua aliança com essas nações). Trudeau criticou também o “capitalismo agressivo” e aconselhou os líderes presentes a encontrarem novas estratégias de negócio.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado / conteúdo em inglês).

CNN Money

Trump feriu TPP, mas acordo sobreviveu

Há um ano, Donald Trump disse ‘adeus’ à Parceria Transpacífica (TPP), mas os restantes onze países da aliança não querem afastar-se. Depois de dois dias de conversações em Tóquio, os líderes dessas nações aproximam-se do final das negociações para o “renascimento” do acordo. O novo tratado tem como nome ‘Acordo Compreensivo e Progressivo para a Parceria Transpacífica’ e inclui, entre outros países, o apoio do Canadá, do Japão, do México, da Austrália e de Singapura.

Leia a notícia completa na CNN Money (acesso livre / conteúdo em inglês).

The New York Times

EUA. Mais impostos sobre energia solar? Indústria revolta-se

Donald Trump acaba de decretar o aumento da carga fiscal sobre a importação de painéis solares e as críticas da indústria não param de chegar à Casa Branca. O presidente explicou que a medida tem como objetivo proteger o trabalho nos Estados Unidos, mas os fabricantes do setor afetado garantem que a nova lei vai, na verdade, custar milhares de empregos aos cidadãos e aumentar os preços dos artigos em causa.

Leia a notícia completa no The New York Times (acesso livre / conteúdo em inglês).

Reuters

Toys”R”Us fecha um quinto das lojas, nos EUA

Nos próximos meses, um quinto das lojas que a gigante Toy”R”Us tem nos Estados Unidos vão ser fechadas. O encerramento de 180 estabelecimentos acontece a par da tentativa da multinacional de superar uma das maiores falências registadas por um revendedor especializado. A empresa mantém-se, no entanto, focada em melhorar a experiência do consumidor, em loja e online.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre / conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião