Portugueses gastaram 4,6 mil milhões de euros em compras online em 2017

  • Lusa
  • 30 Janeiro 2018

No ano passado, o valor das compras online realizadas pelos portugueses atingiu os 4,6 mil milhões de euros, indica estudo da ACEPI.

O valor das compras online realizadas pelos portugueses mais do que duplicou em oito anos, atingindo os 4,6 mil milhões de euros em 2017, segundo a última edição do estudo da Economia Digital desenvolvido pela ACEPI, divulgado hoje.

Segundo o documento distribuído pela Associação da Economia Digital (ACEPI), o valor das compras online feitas pelos portugueses foi de 1,7 mil milhões de euros em 2009, tendo aumentado para 4,6 mil milhões em 2017 e, segundo o relatório, deverá crescer para os 8,9 mil milhões até 2025.

O estudo revela ainda que a percentagem de portugueses a utilizar a internet em 2017 foi de 73%, contra 48% em 2009, sendo que “deverá aumentar para 91% até 2025”.

O número de portugueses que fizeram compras online no ano passado alcançou os 36%, quando em 2009 o valor ficou-se pelos 13%. A estimativa é de que, até 2025, 59% dos portugueses realizem compras online.

Quanto ao volume de negócios efetuado online pelas empresas e pelo Estado em 2017, o valor foi de 70 mil milhões de euros, contra 24 mil milhões em 2009, esperando-se que venha a ascender a 132 mil milhões de euros até 2025.

Apesar do aumento das compras online feitas em websites portugueses, 50% das compras na internet foram feitas fora de Portugal, avança o estudo.

"Vivemos um momento crucial de viragem, onde empresas portuguesas têm no comércio eletrónico uma excelente oportunidade para endereçarem mais facilmente um mercado de proporções incomparáveis.”

Alexandre Nilo Fonseca, ACEPI

Em 2016, apenas 27% das empresas portuguesas efetuaram negócios online (9% das microempresas; 25% das pequenas empresas; 36% das médias empresas; e 54% das grandes empresas) e só 17% do seu volume de negócios foi proveniente de clientes no estrangeiro.

“Vivemos um momento crucial de viragem, onde empresas portuguesas têm no comércio eletrónico uma excelente oportunidade para endereçarem mais facilmente um mercado de proporções incomparáveis”, afirma em comunicado o presidente da direção da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca.

De acordo com o responsável, a ACEPI “está a desenvolver o projeto Norte Digital com o intuito de contribuir para aumentar o nível de digitalização das empresas portuguesas, nomeadamente das PME [pequenas e médias empresas] da região norte”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses gastaram 4,6 mil milhões de euros em compras online em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião