Facebook: vendas disparam 47% à boleia da publicidade no mobile

A tecnológica reportou 12,78 mil milhões de dólares de receitas nos três últimos meses de 2017, acima do previsto. O mobile contribuiu com 89% do total das receitas publicitárias.

O facebook soma e segue nas receitas publicitárias. A empresa fundada por Mark Zuckerberg encerrou o último trimestre do ano passado com um forte crescimento das vendas, devido sobretudo às receitas angariadas no segmento móvel. As receitas nesta área representaram 89% do total angariado.

A tecnológica reportou após o fecho do mercado bolsista norte-americano, os seus resultados do último trimestre do ao passado. A empresa reportou um lucro por ação de 2,21 dólares e um total de 12,97 mil milhões de dólares em receitas.

Esses números comparam com estimativas de 1,95 dólares por ação e 12,55 mil milhões de dólares em receitas que eram antecipadas numa sondagem da Reuters. No mesmo período do ano anterior, o Facebook tinha registado um lucro por ação de 1,41 dólares e receitas de 8,81 mil milhões de dólares. Ou seja, houve um aumento de 47% nas receitas.

As receitas totais com publicidade ascenderam a 12,78 mil milhões de dólares no último trimestre de 2017, sendo que 89% desse montante vieram do segmento de publicidade no móvel.

Segundo as contas da empresa de social media, por mês, cerca de 2,13 mil milhões de pessoas usavam os seus serviços no final de dezembro. Ou seja, 14% acima do verificado no mesmo período de 2016.

Apesar do anúncio de lucros de 15,9 mil milhões de dólares (12,8 mil milhões de euros), uma subida de 56% em relação aos valores do ano precedente, que superou as expectativas dos analistas, as suas ações caíram mais de 3% em Wall Street, nas operações posteriores ao fecho da sessão, depois de anunciar que a mudança que fez na sua plataforma reduziu o tempo que as pessoas passam nesta rede social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook: vendas disparam 47% à boleia da publicidade no mobile

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião