Senado dos EUA aprova proposta orçamental para pôr Governo federal a funcionar

  • Lusa
  • 9 Fevereiro 2018

É a segunda vez em três semanas que há uma paralisação parcial das instituições do Estado federal (shutdown). Proposta orçamental já seguiu para a Câmara dos Representantes.

O Senado norte-americano aprovou esta sexta-feira a proposta orçamental necessária para pôr o Governo federal em funcionamento e reencaminhou-a para a Câmara dos Representantes.

A votação deste acordo orçamental fundamental foi feita depois de o encerramento parcial das instituições federais dos Estados Unidos ter entrado em vigor às 00:00 (05:00 de Lisboa), após a suspensão do debate na quinta-feira à noite, no Senado.

Perante a oposição de um senador à proposta de lei, que permite o financiamento do Estado até 2019, a câmara alta do Congresso decidiu suspender a sessão e retomá-la às 00:01 de sexta-feira, para fazer uma nova votação antes de serem horas de os funcionários públicos federais iniciarem o seu dia de trabalho.

É a segunda vez em três semanas que há uma paralisação parcial das instituições do Estado federal (shutdown) que, sem financiamento, não dispõe de dinheiro e tem de pôr “tecnicamente” no desemprego centenas de milhares de funcionários públicos, dos serviços fiscais aos parques nacionais.

A Administração Trump viveu o seu primeiro shutdown a 20 de janeiro deste ano — exatamente um ano após a investidura de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos –, por falta de acordo sobre o orçamento. Durou três dias. Desta vez, depois da aprovação pelo Senado, o texto deverá agora ser votado na Câmara dos Representantes, onde também tem opositores, e terminar na Sala Oval, para promulgação pelo Presidente.

A paralisação poderá, portanto, ser de breve duração, mas é ilustrativa da polarização dos senadores e congressistas, depois de a proposta ter recebido o apoio dos líderes republicanos e democratas das duas câmaras parlamentares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Senado dos EUA aprova proposta orçamental para pôr Governo federal a funcionar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião