May considera urgente negociar novo acordo de segurança com a UE

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2018

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirma que a rutura da atual cooperação teria “consequências reais nocivas”. A UE tem dúvidas quanto à proposta.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, considerou urgente negociar um novo acordo entre a União Europeia e o Reino Unido em matéria de segurança para a fase pós-‘Brexit’.

Com a saída do Reino Unido da União Europeia – processo conhecido como ‘Brexit’ -, Theresa May entende que é necessária “vontade política” para avançar para um novo acordo em matéria de segurança, justificando que uma rutura da atual cooperação teria “consequências reais nocivas”.

“Este não é um momento em que possamos permitir que a nossa cooperação seja inibida, a segurança dos nossos cidadãos seja colocada em risco pela competição entre parceiros, rigidez institucional e ideologias profundamente enraizadas“, alertou, citada pelas agências internacionais de notícias, ao intervir numa conferência sobre segurança em Munique, Alemanha.

Para a líder britânica, europeus e britânicos “não podem adiar esta discussão” e devem alcançar “urgentemente um acordo para proteger todos os cidadãos europeus”.

A responsável acrescentou que esse acordo deve manter a atual cooperação em matéria de segurança e preservar as capacidades desenvolvidas nos últimos anos, embora conservando as respetivas soberanias no âmbito legal.

A União Europeia (UE) manifestou dúvidas quanto à proposta da primeira-ministra britânica, Theresa May. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que tal como May participou na Conferência de Segurança de Munique, não comentou o discurso da primeira-ministra do Reino Unido, mas considerou que “não se deve misturar” questões comerciais nas negociações sobre o ‘Brexit‘, a saída britânica da UE, com conversações sobre um possível novo tratado bilateral de segurança.

O processo de saída do Reino Unido da União Europeia deve estar terminado dentro de mais de um ano, em finais de março de 2019, mas atualmente as conversações entre britânicos e autoridades europeias parecem paradas, uma vez que ainda não houve conciliação sobre as futuras relações comerciais.

(Notícia atualizada às 17h13 com reação da UE)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May considera urgente negociar novo acordo de segurança com a UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião