Costa pede limpeza das florestas para que 2017 não se repita

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2018

O primeiro-ministro afirma que o trabalho de limpeza das florestas "é essencial porque para haver fogo é necessário haver matéria combustível".

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este sábado, em Caminha, que o trabalho de limpeza das florestas “é essencial” para prevenir os incêndios e pediu a colaboração de todos para Portugal “não voltar a ter um verão como o de 2017”.

“O trabalho de limpeza é essencial, porque para haver fogo é necessário haver matéria combustível”, disse António Costa. Falando depois de uma viagem de duas horas pela floresta de Caminha (distrito de Viana do Castelo), para se inteirar do trabalho de prevenção que está a ser feito, Costa lembrou que a defesa das matas é obrigatória por lei desde 2006, mas sublinhou que o objetivo do Governo “não é aplicar multas”.

“O objetivo não é aplicar multas nem cortar verbas, mas sim cortar o mato para que não seja uma ameaça à floresta, às populações, às casas e às pessoas”, enfatizou.

Como apelo ao envolvimento de todos no trabalho de prevenção, Costa sugeriu que em março, em vez da plantação de árvores para assinalar os Dias do Ambiente e da Árvore, aconteça uma grande ação de limpeza. “Façamos um grande mês de limpeza da floresta”, apelou.

Para o primeiro-ministro, em vez de esperar pela “guerra das chamas”, o caminho deve ser encetar desde já uma batalha para impedir que as chamas tenham pasto para progressão. Sublinhando que os incêndios de verão se previnem no inverno, o governante disse que a tarefa de limpeza das matas passa de impossível a possível se todos “meterem as mãos à obra”, desde particulares a autarquias, passando pelos bombeiros, pelas empresas e pelo Estado.

Aos proprietários que se questionam como vão pagar a limpeza, o chefe do Governo aconselhou a questionarem-se antes sobre o quanto vai custar não fazer a limpeza. “Cada palmo de terra que limpemos é mais um palmo de terra que não será uma ameaça à segurança e à vida das pessoas”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa pede limpeza das florestas para que 2017 não se repita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião