Presidente da FIFA sugere que parte do dinheiro das transferências vá para clubes

  • Lusa
  • 17 Fevereiro 2018

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, sugere que uma parte do dinheiro das transferências -- 5%,6% ou 7% - deve ir para os clubes e federações que formaram os futebolistas.

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, sugeriu este sábado, durante uma visita a Cabo Verde, que parte do dinheiro movimentado nas transferências no futebol mundial seja direcionada aos clubes e às federações onde os jogadores foram formados.

“Temos que assegurar que, de todo o dinheiro que há nas transferências do futebol, uma parte – 5%,6% ou 7% – vá para os clubes e federações que formaram os futebolistas. É algo que hoje não acontece. Temos que fazer isso”, sugeriu o líder do organismo que tutela o futebol mundial.

Gianni Infantino falava aos jornalistas, na cidade da Praia, no âmbito de uma visita de algumas horas que efetuou a Cabo Verde, onde apontou outras medidas que pretende implementar para regulamentar e organizar o futebol mundial.

"Temos que assegurar que, de todo o dinheiro que há nas transferências do futebol, uma parte – 5%,6% ou 7% – vá para os clubes e federações que formaram os futebolistas. É algo que hoje não acontece. Temos que fazer isso.”

Gianni Infantino

Presidente da FIFA

Outra das medidas passa por limitar o número de jogadores por equipas. “Porque há equipas com 50, 60, 70 jogadores, que podiam jogar em primeiras equipas de muitos países, mas preferem ser o número 50 em outro país, porque ganha um pouco mais, mas não joga, e depois de alguns anos termina a carreira”, salientou.

O presidente da FIFA disse também que os mercados de transferências devem ser “mais curtos” e que a profissão dos agentes e intermediários desportivos deve ser regulamentada. “Hoje podem trabalhar e não há nenhuma regra. É importante para a credibilidade de todo o sistema”, mostrou Gianni Infantino.

“São medidas que vão levar o seu tempo, mas vamos seguir lutando”, concluiu o presidente da FIFA, que terminou hoje uma visita de algumas horas a Cabo Verde, a primeira desde que foi eleito há dois anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da FIFA sugere que parte do dinheiro das transferências vá para clubes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião