Finanças justificam subida de comissões com a “missão” da CGD

Para que a CGD assegure a "viabilidade económica da operação bancária", tem de promover a "convergência dos preços praticados com o mercado", defende o gabinete de Mário Centeno.

A Caixa geral de Depósitos (CGD) prepara-se para acabar com a isenção da comissão de manutenção de contas aos clientes com idades entre os 26 e 29 anos. A alteração motivou mesmo debates parlamentares e o primeiro-ministro chegou a dizer que não se intromete nas decisões do banco público. Agora, o gabinete de Mário Centeno tem posição diferente: foi o Governo que “confiou à administração do banco a missão de garantir a solidez financeira” e, para que esta missão seja cumprida, “tem de estar assegurada a viabilidade económica da operação bancária”, nomeadamente através da “convergência dos preços” da concorrência.

A justificação é dada em respostas por escrito enviadas aos grupos parlamentares do PSD e do Bloco de Esquerda, que questionaram o Governo sobre a sua posição relativamente ao fim destas isenções.

“Como acionista único da CGD, o Governo confiou à administração do banco a missão de garantir a solidez financeira da instituição a longo prazo. Para que a CGD cumpra esta missão, tem de estar assegurada a viabilidade económica da operação bancária, através também da convergência dos preços praticados com o mercado”, começa por responder o gabinete de Mário Centeno.

Por outro lado, acrescenta a resposta, “as comissões de conta praticadas pela CGD estão em linha com os concorrentes no mercado e o banco mantém um quadro alargado de isenções, que permite uma diferenciação dos clientes da CGD em função das suas condições particulares”.

O Governo deixa por responder várias das questões colocadas. A deputada Mariana Mortágua questionou “qual o número de jovens detentores do Mega Cartão Jovem que passarão a pagar esta nova comissão” e “o que pretende o Governo fazer para travar o aumento abusivo das comissões bancárias, em particular na CGD”, mas Mário Centeno ignorou estes pontos.

Para além do aumento das comissões aos jovens, o banco público vai passar a cobrar um euro por levantamentos com caderneta feitos aos balcões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças justificam subida de comissões com a “missão” da CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião