Anacom prepara sistema de alertas em caso de catástrofe por telefone, rádio e televisão

A pedido do MAI, a Anacom já começou a preparar o desenvolvimento de um sistema de aviso às populações em caso de catástrofe. Modelo pode abranger alertas por telefone, rádio e televisão.

A Anacom e o Ministério da Administração Interna estão a estudar a criação de um sistema de alertas à população em caso de iminência ou ocorrência de acidentes grave e catástrofes, tais como incêndios, tsunamis, cheias, rutura de barrares, atentados terroristas, entre outros. A informação foi avançada pelo regulador num comunicado e, ao que o ECO apurou, o sistema poderá abranger alertas à população por telefone, rádio e TV.

O sistema poderá passar por alertas por SMS ou telefone, apurou o ECO. Segundo a Anacom, “serão tidas em consideração as melhores práticas já seguidas noutros países, nos quais são utilizados sistemas de aviso à população potencialmente afetada pela ocorrência ou iminência de ocorrência de um acidente grave ou catástrofe”, lê-se numa nota enviada à comunicação social.

A entidade liderada por João Cadete de Matos reuniu, na passada sexta-feira, com membros do Governo e representantes da Proteção Civil, da ERC, das operadoras de telecomunicações (Meo, Nos, Vodafone e Nowo) e de diversas estações de rádio (RDP, TSF, Renascença e Comercial) e de televisão (RTP, SIC e TVI). Em cima da mesa, um pedido do ministério de Eduardo Cabrita para que fosse analisada “a melhor forma de estabelecer e operacionalizar um sistema de avisos à população em situações de emergência no âmbito da proteção civil”.

A medida está também prevista na Estratégia Nacional para uma Proteção Civil Preventiva, aprovada em Conselho de Ministros em outubro do ano passado. Após os graves incêndios do ano passado, o Governo desenhou este plano que também prevê uma “área prioritária relativa a ‘Sistemas de Monitorização, alerta e aviso'” com vista a “melhorar a preparação face à ocorrência de risco”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anacom prepara sistema de alertas em caso de catástrofe por telefone, rádio e televisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião