Miranda debate recuperação e insolvência em Cabo Verde

  • ADVOCATUS
  • 21 Fevereiro 2018

António Gonçalves, advogado responsável pela coordenação do escritório associado da Miranda em Cabo Verde (CV LEXIS), vai ser orador na conferência sobre Recuperação e Insolvência.

António Gonçalves, advogado responsável pela coordenação do escritório associado da Miranda em Cabo Verde (CV LEXIS), vai ser orador na conferência sobre Recuperação e Insolvência, a convite do Diretor-Geral da Política da Justiça, do Ministério da Justiça e do Trabalho de Cabo Verde.

No decorrer da sua intervenção, António Gonçalves focará os princípios gerais e as principais características do Regime Geral da Recuperação e da Insolvência de Cabo Verde.

O evento, que terá lugar na Ilha do Sal, entre os dias 22 e 24 de fevereiro, vai contar na sessão de abertura com a presença da Ministra da Justiça de Cabo Verde, Janine Tatiana Santos Lélis.

Esta iniciativa visa promover um debate aprofundado e o esclarecimento desta matéria, do maior interesse para os operadores económicos, advogados e magistrados judiciais.

A Miranda, recentemente distinguida com o prémio “Lusophone Africa Law Firm of the Year” pelo trabalho que tem desenvolvido, em conjunto com os seus escritórios associados, nos países africanos de expressão portuguesa, possui há vários anos uma desk dedicada a Cabo Verde. A mesma é coordenada por Mafalda Oliveira Monteiro (sócia), sediada em Lisboa, e António Gonçalves, sediado na Praia (Cabo Verde).

António Gonçalves é licenciado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa e Mestre em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. É professor graduado das disciplinas de Direitos Reais, Direito Comercial, Direito das Sociedades Comerciais e Direito das Sucessões no Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais de Cabo Verde e ocupa, desde 2016, o cargo de Vice-Presidente do Conselho de Deontologia e Disciplina da Ordem dos Advogados de Cabo Verde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miranda debate recuperação e insolvência em Cabo Verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião