Filmar em Portugal? Hollywood de olhos postos nos incentivos do Governo português

  • ECO
  • 23 Fevereiro 2018

Jornal L.A. Times sublinha, esta semana, o programa de incentivos à produção cinematográfica e audiovisual previsto no Orçamento do Estado para este ano. Hollywood pisca assim o olho a Portugal.

Portugal tem praias, castelos e paisagens dignos de Hollywood, mas, ao contrário de outros destinos europeus (como a França e o Reino Unido), pouca atenção tem conseguido das suas objetivas… até agora. “O Governo [português] está a lançar um novo programa de incentivos desenhado para atrair mais rodagens de filmes e séries de TV”, lembra, esta semana, o L.A. Times (conteúdo em inglês).

Estes incentivos previstos no Orçamento do Estado para 2018 têm como alvos apenas as longas-metragens — da ficção ao documentário, passando pela animação — que envolvam um investimento mínimo de 500 mil euros.

Nesses casos, as produções podem deduzir à coleta de IRC entre 25% e 30% das despesas feitas com os pagamentos de remunerações de pessoal, de honorários devidos a prestadores de servidos e implicados na compra de materiais ou equipamentos. Os reembolsos podem chegar a quatro milhões de euros. “Portugal não estava no mapa da produções de filmes há uns anos atrás. Estamos a tentar mudar isso”, explicou ao mesmo jornal a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

O L.A. Times recorda ainda que esta não é a primeira tentativa de Portugal seduzir os talentos de Hollywood. Em 2017, o Governo tinha lançado um incentivo fiscal de 25% para os mesmos projetos, que acabou por não surtir o efeito desejado, reforça o jornal.

Ao ECO, Filipa Silva e Francisco Pereira, líderes da EY, sublinham: “O incentivo fiscal à produção cinematográfica e audiovisual surge como um instrumento que pretende reforçar a competitividade de Portugal enquanto local de produção cinematográfica e audiovisual, ao estimular a atividade dos produtores e coprodutores nacionais e ao promover a atração de produções estrangeiras para o nosso país”.

Apesar das grandes rodagens de Hollywood ainda não terem chegado a terras lusitanas, nos últimos meses de 2017, grandes marcas com a Volkswagen, a McDonald’s, a Apple ou até mesmo a Intimissimi, com o emblemático anúncio protagonizado por Mónica Bellucci usaram as ruas de Lisboa como cenário para os seus anúncios publicitários.

“Portugal possui uma ampla oferta de talentos técnicos graças ao património artístico e cinematográfico que tem nutrido realizadores como Pedro Costa, João Pedro Rodrigues e Manoel de Oliveira”, destaca o jornal. O L.A. Times acrescenta, por fim, que, em breve, o próximo filme de Terry Gilliam começará a ser filmado em Portugal. A longa será protagonizada por Adam Driver.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Filmar em Portugal? Hollywood de olhos postos nos incentivos do Governo português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião