Inflação desacelera para 0,6% em fevereiro pelo terceiro mês consecutivo

  • Ana Batalha Oliveira
  • 28 Fevereiro 2018

A evolução dos preços em fevereiro é idêntica à do cabaz que não contenha os produtos de preços mais voláteis -- o caso da alimentação e da energia, revela o INE.

No mês de fevereiro, a inflação desacelerou para 0,6%, face ao mesmo mês do ano anterior, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) na estimativa rápida dos preços. Este valor compara com os 1% registados em janeiro. Este é já o terceiro mês consecutivo de deslize dos preços.

No conjunto dos últimos 12 meses, a variação média da inflação foi de 1,3%. Já o indicador de inflação subjacente, o índice que mede os preços num cabaz sem os produtos de preços mais voláteis – os alimentos e a energia — situou-se nos mesmos 0,6% do IPC.

A variação mensal do IPC terá sido, por sua vez de -0,7% (após uma variação de -1,0% em janeiro) e a variação média dos últimos 12 meses foi de 1,3% (valor igual ao registado no mês precedente), avança ainda o INE na sua estimativa rápida que deverá ser confirmada as 12 de março.

Na Europa os preços também desceram em janeiro

Já na zona euro, a taxa de inflação é bem mais elevada do que em Portugal. De acordo com os dados do Eurostat, divulgados esta quarta-feira, a taxa de inflação em janeiro, nos países da moeda única foi de 1,3%, o que representa uma desaceleração face aos 1,4% registado em dezembro.

Tal como INE, que já tinha avançado a taxa de inflação de 1,1% registada em janeiro, coloca Portugal entre os países onde a evolução dos preços foi menos expressiva. Portugal teve a sétima evolução mais baixa da zona euro. O início do ano, caracterizado pelo período de saldos, foi por uma desaceleração dos preços face ao mês anterior (desceu em 21 países, acelerou em seis e manteve-se em apenas um).

Segundo o Eurostat, em janeiro, a contribuição mais significativa para a subida dos preços foi dos serviços (+0,56 pontos percentuais) seguida da alimentação alcool e bebidas (+0,39 pp), energia (+0,22 pp). A Lituânia registou a taxa de inflação anual mais elevada da União Europeia (3,6%) enquanto Chipre teve a baixa com uma contração de 1,5%. No seu conjunto a UE registou uma aceleração dos preços de 1,6%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação desacelera para 0,6% em fevereiro pelo terceiro mês consecutivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião