Marques Mendes: Portugal não deve desperdiçar “leque de oportunidades” nesta “nova Angola”

  • ECO
  • 4 Março 2018

No habitual comentário de domingo, Marques Mendes falou do PIB histórico e atribuiu Óscares aos líderes e partidos políticos.

Marques Mendes sublinhou este domingo a importância da mudança vivida por Angola no plano económico. “Um exemplo: amanhã entra em vigor uma lei histórica para favorecer o investimento estrangeiro. Até agora, um estrangeiro que quisesse investir em Angola tinha obrigatoriamente de ter um sócio angolano, com um mínimo de 35% do capital. A partir de agora, essa exigência acaba. Uma boa notícia para os empresários portugueses”, disse o comentador na Sic.

No seu habitual comentário de domingo, Marques Mendes ressalvou a “enorme mudança política”, refletida numa grande abertura no setor da comunicação social. “Angola está a ganhar credibilidade na comunidade internacional, em grande medida fruto do novo ciclo político que foi aberto com a presidência de João Lourenço”, sublinhou, dizendo que com as mudanças, Portugal não deverá desperdiçar este novo leque de oportunidades” nesta “nova Angola”.

Óscares políticos

Em noite de Óscares, a estatueta de melhor filme vai para a economia portuguesa. No habitual comentário de domingo na Sic, Marques Mendes disse que os resultados divulgados esta semana pelo INE “são excelentes”. “É bom porque é o maior do século, com base num modelo saudável — pelo investimento e não pelo consumo — e significa que é um Governo de esquerda a puxar pela economia com a receita da direita. E finalmente agradecer aos empresários portugueses e à Europa porque não somos caso único, toda a Europa está a crescer”, disse o comentador político.

Mas este não foi o único troféu que Marques Mendes atribuiu esta noite. Sobre António Costa, o comentador atribui ao primeiro-ministro o Óscar de melhor ator: “António Costa está em alta, com os resultados económicos, com estabilidade e unidade dentro da coligação. Não pode queixar-se de ter uma oposição que o chateie muito. Acho que vai ter a vida facilitada”, disse.

Já para o PSD, com Elina Fraga e a estreia de Fernando Negrão como líder da bancada parlamentar, Marques Mendes sublinhou que o partido vence o Óscar de melhores efeitos especiais. “Achei um exagero nas críticas, mas devia ser mais animal político”, dando nota das críticas de que Rui Rio tem sido alvo.

A uma semana do congresso do CDS, Marques Mendes disse ainda que o partido “está num bom momento, porque conseguiu ultrapassar o rastro dos efeito da troika mais facilmente do que o PSD”. Assunção Cristas, que tem ganho espaço espaço e é, dois anos depois, “líder consagrada”, vence o Óscar de melhor atriz principal para Cristas.

Já sobre a entrada da Santa Casa no capital do Montepio, Marques Mendes disse que o negócio tal como estava pensado “abortou” e que pode agora estar em risco depois do estudo do Haitong, que baixou a avaliação do banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes: Portugal não deve desperdiçar “leque de oportunidades” nesta “nova Angola”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião