Financeiras deram nove mil milhões de euros em crédito no ano passado

De acordo com os números da ASFAC, o crédito concedido pelas financeiras suas associadas cresceu 18,3% no ano passado, apoiado no crescimento da economia.

Não só os bancos como as financeiras registaram um forte crescimento da concessão de crédito em 2017. De acordo com a Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), as financeiras concederam mais de nove mil milhões de euros em crédito às famílias e empresas no ano passado, um aumento de quase 20% em termos homólogos. Mais de dois mil milhões de euros tiveram como destino a compra de veículos.

As financeiras disponibilizaram um total de 9.263 milhões de euros, em 2017, o que compara com os 7.829 milhões que se verificaram no mesmo período do ano anterior, e representa um crescimento de 18,3%, divulgou nesta segunda-feira a ASFAC.

De acordo com esta associação, o aumento foi generalizado a todos os segmentos de crédito, salientando o papel do crescimento económico para a subida dos níveis de concessão. Segundo a ASFAC é “uma situação que tem efeito direto na situação financeira dos portugueses, que tem vindo a melhorar substancialmente. Para isso também tem contribuído a diminuição do desemprego”.

O crédito clássico concedido a particulares, que representa 30,9% do total deste tipo de financiamento, subiu 37,8% face a 2016, para 2.867 milhões de euros. Por sua vez o crédito clássico atribuído a empresas teve um aumento de 26,2 % comparando com o ano anterior, para ascender a 176,6 milhões de euros. Quanto ao crédito stock, foi o que apresentou menor crescimento em 2017 (8,4%), para 4.315 milhões, enquanto o crédito revolving subiu 17,1%, para 1.905 milhões de euros.

A aquisição de meios de transporte continuou a liderar o destino dos montantes concedidos em crédito clássico com 69,6% do total do financiamento, situando-se nos 2.119 milhões de euros, mais 24,2% do que em 2016. “É também o reflexo da dinamização da economia portuguesa e da consequente mobilização dos agentes económicos no sentido de financiarem os meios de transporte”, explica a ASFAC. Segue-se o crédito pessoal com 21% do financiamento pedido e o financiamento para a aquisição de artigos para o lar com 5,9%. A concessão nestes segmentos ascendeu a 640 milhões e 179 milhões de euros, respetivamente, 70% e 40% acima dos níveis de 2016.

Para o presidente da ASFAC, António Menezes Rodrigues, os dados de 2017, evidenciam que o setor está “a ter um crescimento sustentável” destacando precisamente que “é o financiamento das empresas da área automóvel que está a funcionar como principal impulsionador”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Financeiras deram nove mil milhões de euros em crédito no ano passado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião