A tarde num minuto

Não teve tempo de ler as notícias esta tarde? Fizemos um best of das mais relevantes para que fique a par de tudo o que se passou, num minuto.

A fábrica de Palmela vai voltar a parar desde sábado, 24 de março, até ao dia 2 de abril. Uma mudança na procura dos clientes por motores a gasolina dificulta o fornecimento de peças. O Governo não tinha explicado que as bonificações deixam de ser aplicadas nas pensões de carreiras longas. O PSD acusa Vieira da Silva de “publicidade enganosa”, o CDS diz estar “chocado” e o PCP fala em “desrespeito pelas expectativas dos trabalhadores”.

A Autoeuropa vai voltar a parar este mês. Desde o dia 24 de março, sábado, até 2 de abril, a fábrica de Palmela vai estar parada por falta de peças, confirmou ao ECO fonte oficial da administração.

Os social-democratas acusam o Governo de criarem uma situação que levou os pensionistas ao “engano”. Para o PSD, os reformados com carreiras contributivas muito longas “estão a ser vítimas de publicidade enganosa” por parte de Vieira da Silva.

O preço dos combustíveis vai sofrer poucas alterações na próxima semana. Depois de terem caído esta semana, a partir da próxima segunda-feira, só o litro da gasolina é que vai ficar ligeiramente mais caro, enquanto o do gasóleo deverá ficar inalterado.

Os CTT falharam em 2016 no critério de tempo para entrega de cartas de correio normal, o que levou o regulador a obrigar a empresa a baixar os preços este ano. A cotada liderada por Francisco Lacerda diz que já corrigiu essa falha, tendo mesmo melhorado na generalidade dos indicadores de qualidade do serviço universal postal.

O inquérito do caso e-toupeira – que envolve o assessor jurídico do Benfica – foi divulgado esta sexta-feira no blogue Mercado de Benfica.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A tarde num minuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião