Turistas de fora da Europa respondem por 21% das receitas turísticas

Os turistas provenientes de países externos à União Europeia representam apenas 12% do total de turistas estrangeiros que Portugal recebeu, mas responderam por 21% das receitas turísticas.

Os turistas provenientes de destinos de fora da Europa são os que mais gastam em Portugal, em média. No ano passado, apenas num dia, estes turistas gastaram em compras, em média, o mesmo montante que os turistas europeus gastaram numa semana. Ao todo, estes turistas, que são apenas 12% do total, respondem por 21% das receitas turísticas arrecadadas no ano passado.

Os cálculos são da Tax Free Global Blue e foram apresentados no Lisbon Shopping, Tourism & Economy Summit, que decorre esta sexta-feira. Segundo os cálculos da empresa, calculados em função do IVA devolvido aos turistas no ano passado, os turistas chineses são os que mais gastam. Em média, pagaram 642 euros por compra. São seguidos pelos norte-americanos, que gastaram 506 euros por compra, e pelos angolanos e russos (ambos com cerca de 250 euros por compra). Já a nível global, o valor médio de compra em tax free aumentou em 36%, para 269 euros, em 2017.

Na abertura da conferência, João Vasconcelos, antigo secretário de Estado da Indústria, apontou que os turistas provenientes de países externos à União Europeia representam apenas 12% do total de turistas estrangeiros que Portugal recebeu, mas responderam por 21% das receitas turísticas, que no ano passado ultrapassaram os 15 mil milhões de euros. Significa isto que os cerca de 2,4 milhões de turistas de fora da Europa que vieram a Portugal em 2017 deixaram mais de 3 mil milhões de euros no país.

“Estamos convencidos da necessidade de dar mais um passo nas políticas turísticas no nosso país, com uma aliança entre o setor público e privado”, apontou João Vasconcelos.

Também Dimas Gimeno, presidente do El Corte Inglés, sublinhou a importância de dinamizar as políticas do setor. “Em 2017, os grandes armazéns em Londres alcançaram 500 milhões de euros em vendas a turistas chineses, um volume muito similar ao que outros obtiveram em Paris. Mas este número está muito distante dos 80 milhões de euros que os turistas chineses gastaram em compras com cartões de crédito, em Portugal inteiro, no mesmo ano”, referiu.

E concretizou: “Por outras palavras, o consumo numa única loja de Paris ou de Londres é cinco vezes superior ao gasto total do conjunto de turistas chineses em todo o nosso país. Imaginem o impacto que poderíamos alcançar se nos propuséssemos atenuar estas diferenças”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turistas de fora da Europa respondem por 21% das receitas turísticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião