Nova polémica com Feliciano Barreiras Duarte: Agora é a morada fiscal

  • ECO
  • 17 Março 2018

O secretário-geral do PSD terá dado como morada fiscal uma casa no Bombarral, quando tinha a sua residência de família em Lisboa, beneficiando de subsídios por esse facto.

Após a polémica em torno do currículo académico, Barreiras Duarte é alvo de uma nova polémica. Desta vez, está em causa um eventual recebimento indevido de subsídio por parte do Parlamento. O secretário-geral do PSD terá dado ao longo de dez anos a morada da casa dos pais no Bombarral para cálculo do subsídio de transporte e ajudas de custo na Assembleia da República, quando tinha casa em Lisboa.

A notícia é avançada pelo Observador (acesso grátis) que contactou os serviços da Assembleia da República que confirmaram que nas VII, IX, e X legislaturas (entre 1999 e 2009), o deputado do PSD “declarou, para efeitos de cálculo de ajudas de custos e despesas de deslocação” que era “residente no Bombarral“. De acordo com o Observador, durante pelo menos nove desses dez anos, Feliciano Barreiras Duarte terá morado na Avenida de Roma, em Lisboa.

Em resposta ao jornal digital, Feliciano Barreiras Duarte confirmou que tinha no Bombarral a sua “morada fiscal”, alegando que essa situação até o faz “perder dinheiro” face ao que aconteceria se optasse por ter o endereço de Lisboa.

Contudo, o observador cita um parecer do conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República datado de 1989, feito para clarificar o conceito de uma “residência habitual” que não dará razão a Barreiras Duarte. A morada que importa, para estes efeitos, não é administrativa, mas o local onde a pessoa efetivamente reside com a família. A definição da PGR é a seguinte: “O local da residência habitual, estável e duradoura de qualquer pessoa, ou seja, a casa em que a mesma vive com estabilidade e em que tem instalada e organizada a sua economia doméstica, envolvendo, assim, necessariamente, fixidez e continuidade e constituindo o centro da respetiva organização doméstica referida”. Parecer que contraria aquilo que o secretário-geral do PSD alega.

O Observador explica que nas declarações de rendimentos entregues ao Tribunal Constitucional, Feliciano Barreiras Duarte assume que, entre 2001 e 2009, só foi proprietário de dois imóveis destinados à habitação: um em Lisboa, na Avenida de Roma, e outro em Vilamoura, em Quarteira. Ou seja, não seria proprietário de qualquer imóvel no Bombarral, onde vivem os seus pais. Na última declaração entregue ao tribunal Constitucional relativa ao período entre 1995 e 2009, o responsável do PSD dava conta de que o imóvel de Lisboa tinha como objetivo “habitação própria e permanente”.

Confrontado com esta informação, Feliciano Barreiras Duarte considerou que esta é uma prova da sua boa fé, uma vez que “se quisesse usufruir de algum benefício irregularmente, não teria feito o registo dessa forma”. Na folha de rosto das declarações ao Tribunal Constitucional, porém, deu a mesma morada da Assembleia da República: a do Bombarral.

Só quando mudou de casa — da Avenida de Roma para a João XXI, em Lisboa– e tomou posse como deputado em 2011 (e depois como secretário de Estado), é que, segundo o Observador, terá comunicado pela primeira vez à Assembleia da República que residia na capital. Ao dizer que morava no Bombarral, o deputado beneficiava de abonos de deslocação e ajudas de custo que são superiores aos de quem vive em Lisboa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova polémica com Feliciano Barreiras Duarte: Agora é a morada fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião