PS aproxima-se da maioria absoluta. PSD também melhora

  • ECO
  • 16 Março 2018

As melhorias no PSD não são suficientes para abalar a liderança do atual Governo. O político mais popular continua a ser Marcelo Rebelo de Sousa, mas seguem-se António Costa e Rio.

O PS goza de cada vez mais popularidade entre os portugueses: nas sondagens do Expresso e SIC para março, o Executivo de António Costa sobe mais um pouco em direção à maioria absoluta. Consegue uma intenção de voto de 41,5%. Mas não é o único partido com razões para festejar: desde que Rui Rio tomou a dianteira dos social-democratas, estes assistiram à maior subida nas intenções de voto de toda a legislatura.

Há vários meses que o PS não desce da fasquia dos 40%, mas a popularidade do atual Governo não estagnou: subiu novamente em fevereiro, 0,2%, e chegou aos 41,5%. António Costa acompanha a subida do seu partido, e é o único a reunir cada vez mais a simpatia dos votantes. Fica, contudo, atrás do Presidente da República, que agrada a 64% da população — percentagem que compara com os 34% de Costa.

Rui Rio só consegue conquistar uma popularidade de 10%, mas o partido de Rio conseguiu um aumento de 1,5% nas intenções de voto. O PSD já vinha a registar subidas desde o início da legislatura, mas nunca acima de 0,7%. As melhorias notam-se um mês depois do congresso laranja, após a escolha de Elina Fraga para a direção do partido e de Fernando Negrão para a bancada parlamentar do PSD, que subiu ao cargo com mais votos brancos e nulos do que favoráveis.

Grafismo Expresso

Atrás do PSD, aparecem o Bloco de Esquerda, CDU, o CDS e o PAN, por esta ordem. Entre estes, só a CDU sobe, fixando-se a meio ponto de distância do BE. Apesar de liderar a segunda força política menos relevante, Assunção Cristas é a terceira líder partidária mais querida entre os portugueses, com um saldo de 7,9% de popularidade.

Estas sondagens foram feitas entre 8 e 14 de março, por entrevista telefónica. O erro máximo da amostra é de 3,08% para um grau de probabilidade de 95%. Para mais informações, pode consultar a ficha técnica no final do artigo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS aproxima-se da maioria absoluta. PSD também melhora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião