PSD quer voltar a ouvir Provedor da Santa Casa no Parlamento

  • Lusa
  • 19 Março 2018

O social-democratas querem ver esclarecidos "os contornos da eventual aquisição do capital do Montepio por esta entidade".

O PSD pediu esta segunda-feira, com caráter de urgência, uma nova audição parlamentar do Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para esclarecer os contornos da eventual aquisição do capital do Montepio por esta entidade.

“O Presidente da Associação Mutualista Montepio veio a público dar pormenores da entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) no capital da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) em contraponto, inusitado e chocante, com um ruidoso silêncio por parte do senhor Provedor da Santa Casa”, justifica o PSD, no requerimento com data de sexta-feira e entregue esta segunda-feira na Assembleia da República.

O PSD salientou que este tema tem sido acompanhado pela Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, que já ouviu a este propósito o ministro da tutela, Vieira da Silva, o Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e o próprio provedor da Santa Casa, Edmundo Martinho.

Na semana passada, em entrevista à RTP 3, o presidente da Mutualista, Tomás Correia, disse que a CEMG não precisa da Santa Casa para se recapitalizar, referindo que o banco tem um rácio de capital de 13,5% e que está “a preparar uma emissão de 250 milhões de euros de dívida subordinada que vai pôr o rácio de capital acima de 15,5%”.

Segundo o responsável, o que acontecerá é que um grupo de “muitas instituições da economia social, ficarão com “até 2% do capital da Caixa Económica Montepio Geral”, em troca de um investimento entre 45 e 48 milhões de euros.

O tema da eventual entrada da SCML foi abordada pelo líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, nos dois últimos debates quinzenais que protagonizou com o primeiro-ministro, António Costa. Na semana passada, Negrão questionou o primeiro-ministro sobre a operação de créditos fiscais na Associação Mutualista Montepio, falando em “contas marteladas”, com António Costa a questionar o “profundo interesse” de Fernando Negrão no banco Montepio.

“Contas marteladas são buracos financeiros no futuro, explique bem senhor primeiro-ministro esta situação: é muito mais grave do que a que aconteceu com outros bancos, porque se acontecer e for para a frente a cumplicidade não é dos privados, é do Estado”, acusou Negrão.

“Um dia, com certeza haveremos de descobrir o seu profundo interesse relativamente à situação do Montepio”, respondeu António Costa, o que gerou palmas do PS e indignação do PSD.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD quer voltar a ouvir Provedor da Santa Casa no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião