Tomás Correia pede a Carlos Tavares que “remunere adequadamente” a dona do Montepio

Carlos Tavares já sabe a missão que o espera à frente do Montepio. Tomás Correia pretende que a nova administração tenha presente que o banco terá de "remunerar adequadamente" os seus acionistas.

Carlos Tavares e a sua equipa estão prestes a iniciar funções na Caixa Económica Montepio Geral e já sabem qual a missão que os espera. A Associação Mutualista quer que o banco “remunere adequadamente o(s) seu(s) acionista(s) com caráter estável e sustentável”.

A mutualista liderada por Tomás Correia divulgou esta segunda-feira a Carta de Missão que a nova administração da Caixa Económica terá de seguir no próximo mandato e que terá Carlos Tavares como chairman e CEO numa fase inicial. Dentro dos vários objetivos elencados pelo ainda único acionista do Montepio, a nova equipa terá de ter “presente que enquanto instituição de crédito terá de remunerar adequadamente o(s) seu(s) acionista(s) com caráter estável e sustentado”.

Mas os dividendos aos vários acionistas são apenas uma parte da missão da “nova” Caixa Económica, que em breve terá a Santa Casa e outras instituições sociais no seu capital, num investimento a rondar os 48 milhões de euros, como avançou o ECO.

São dez os pontos enumerados pela Associação Mutualista para o trabalho que terá de ser desenvolvido por Carlos Tavares e pelo recém-eleito conselho de administração que ele vai liderar, naquilo que é considerado o “último passo de um processo de renovação do seu quadro jurídico de atuação e de relacionamento acionista”.

A Caixa Económica terá de atribuir “particular destaque às instituições da economia social e empreendedores sociais, de base local, regional e nacional”, distinguindo os braços de banca comercial da banca de investimento. Será no seio desta nova estrutura do banco que Carlos Tavares terá de procurar e aprofundar sinergias nas suas atividades, “sem prejuízo da segregação de funções exigida pela regulamentação aplicável”.

Aliás, apesar desta separação entre aquilo que é banco e mutualista, é salientado o papel dos balcões da Caixa Económica como “canal privilegiado de distribuição da oferta das diferentes organizações do Grupo Montepio, com especial destaque para a distribuição de produtos mutualistas disponibilizados pelo Montepio Geral – Associação Mutualista (…), sempre no respeito estrito das disposições legais e regulamentares aplicáveis”.

Segundo o plano de atividades para 2018, a Caixa Económica terá de colocar nos seus clientes 970 milhões de euros em produtos mutualistas, um montante que os sindicatos consideram elevado e vai adicionar pressão sobre os trabalhadores do banco.

Alianças internacionais

Sem grande grau de detalhe, a Associação Mutualista deixa ainda a ideia de que, apesar de a prioridade do banco ser o mercado doméstico, Carlos Tavares deverá potenciar alianças com instituições internacionais, sobretudo nos países lusófonos.

“Sendo a prioridade da Caixa Económica o mercado doméstico, deverá ser acautelada uma gestão prudente das participações internacionais já existentes – designadamente nos países lusófonos – privilegiando possíveis alianças com instituições internacionais com filosofia semelhante, designadamente dos setores cooperativo e da economia social”, lê-se na Carta de Missão.

(Notícia atualizada às 16h40 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia pede a Carlos Tavares que “remunere adequadamente” a dona do Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião