Tomás Correia admite voltar à isenção de IRC no Montepio

  • ECO
  • 16 Março 2018

A dona do Montepio pediu às Finanças para perder a isenção de IRC, beneficiando, em troca, de créditos fiscais. Contudo, o presidente da Associação Mutualista admite voltar a pedir isenção.

A Associação Mutualista Montepio Geral estava isenta de IRC. Mas, a pedido, deixou de estar para poder beneficiar de créditos fiscais. Contudo, Tomás Correia, presidente da dona do Montepio, em entrevista à TSF e Dinheiro Vivo, admite voltar a pedir esta isenção. Um pedido que poderá ser aceite pelas Finanças desde que cumpra novamente os três critérios exigidos às IPSS, tal como o ECO já tinha avançado.

“Se amanhã a Associação Mutualista revir a política, se a legislação se mantiver, se os órgãos sociais entenderem colocar a questão à Autoridade Tributária com o argumento de que passam a satisfazer os requisitos, pode ser que sim ou que não, não sei”, afirma Tomás Correia numa entrevista à TSF e Dinheiro Vivo.

"Se amanhã a Associação Mutualista revir a política, se a legislação se mantiver, se os órgãos sociais entenderem colocar a questão à Autoridade Tributária com o argumento de que passam a satisfazer os requisitos, pode ser que sim ou que não, não sei.”

Tomás Correia

Presidente da Associação Mutalista

O ECO questionou o Ministério das Finanças sobre a possibilidade de a Associação Mutualista voltar a ficar isenta de IRC quando se esgotasse o bónus fiscal. Fonte oficial explicou que essa é uma possibilidade sempre em aberto. Basta que a Associação queira. Querendo, “é automático”, disse o gabinete de Mário Centeno. Isto, desde que cumpra cumulativamente os três requisitos previstos no Código do IRC.

A isenção de IRC aplicada às IPSS rege-se pelo art.º 10.º do Código aplicado às pessoas coletivas, que define quais são os requisitos necessários para beneficiar deste estatuto. Exige-se que seja uma instituição de utilidade pública, que pelo menos metade dos lucros tenha sido afetada a essa função e que não exista qualquer interesse, direto ou indireto, dos órgãos estatutários nos resultados registados pela entidade

Tomás Correia esclareceu ainda, nesta entrevista, que a AMMG “não pediu coisa nenhuma, nem tem de pedir”. O presidente da instituição refere que teve “dúvidas acerca do regime fiscal” e que “quem tem dúvidas tem de se esclarecer, e foi o que fizemos. Pedimos à Autoridade Tributária que nos esclarecesse sobre a situação fiscal da AMMG”. A AT respondeu “dizendo que não preenchemos as condições de isenção. E não preenchendo as condições, temos de pagar impostos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia admite voltar à isenção de IRC no Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião