Vodafone tem três mil oportunidades para jovens portugueses até 2022

Vodafone está empenhada na redução do desemprego jovem. Por isso, está a promover desenvolvimento de competências digitais e a aumentar número de vagas. Em Portugal, vai oferecer 3.000 oportunidades.

Empenhada na luta contra os “números alarmantes” de desemprego jovem, a Vodafone acaba de lançar o maior programa mundial para formar estes profissionais para os empregos digitais. Além do projeto de formação, o grupo de telecomunicações quer ainda aumentar o número de vagas destinadas a jovens, nas suas várias operações. Só em Portugal, a gigante pretende oferecer três mil oportunidades até 2022, entre postos de trabalhos e programas de estágios.

“Nenhuma sociedade prospera se grande parte dos seus jovens estiver desempregado”, salientou o líder executivo do Grupo Vodafone, em comunicado. Vittorio Colao explicou que a automatização fez desaparecer alguns empregos, mas criou tantos outros, sendo por isso importante apostar no desenvolvimento das competências que encaixem com esse segundo cenário. “Queremos ajudar as novas gerações a não ficarem excluídas do novo mundo laboral”, sublinhou o representante.

Nesse sentido, o “What will you be?” quer ajudar 10 milhões de jovens até 2022 a desenvolverem as competências exigidas por estes empregos digitais, facilitando-lhes a navegação no mercado de trabalho transformado. O programa inclui, por isso, o aconselhamento de carreira em 18 dos países em que o grupo Vodafone está presente e a preparação de jovens dos 14 aos 25 anos para a economia digital.

A par deste programa, a Vodafone acaba também de lançar a ferramenta “Future Jobs Finder”, que permite aos seus utilizadores realizarem uma série de testes psicométricos desenhados para identificar as suas aptidões e interesses. Os jovens analisados serão depois direcionados para oportunidades de emprego adequadas.

Vodadone quer oferecer três mil vagas de trabalho aos jovens, até 2022.Vodafone Medien/ECO

Vodafone duplica oportunidades

Nos próximos quatro anos, o grupo Vodafone vai duplicar, a nível mundial, o número de oportunidades que oferece aos profissionais. Por cá, a gigante quer dar a três mil jovens a oportunidade de contactarem com o mercado, até 2022, através de, por exemplo, programas de estágios e alguns postos de trabalho.

“A economia digital tem um enorme potencial para criar oportunidades de emprego para os jovens e agir como um catalisador do crescimento e desenvolvimento sustentável”, explicou o diretor-geral de ILO da Vodafone. Guy Ruder faz questão, no entanto, de notar que tal potencial só pode ser aproveitado se os profissionais tiverem as competências necessárias.

No início do mês, o Eurostat revelou que Portugal está entre os quatro países da União Europeu com a taxa de desemprego jovem mais elevada. Em janeiro, 22,2% dos profissionais com menos de 25 anos estavam sem trabalho, no mercado nacional.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vodafone tem três mil oportunidades para jovens portugueses até 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião