Vodafone tem três mil oportunidades para jovens portugueses até 2022

Vodafone está empenhada na redução do desemprego jovem. Por isso, está a promover desenvolvimento de competências digitais e a aumentar número de vagas. Em Portugal, vai oferecer 3.000 oportunidades.

Empenhada na luta contra os “números alarmantes” de desemprego jovem, a Vodafone acaba de lançar o maior programa mundial para formar estes profissionais para os empregos digitais. Além do projeto de formação, o grupo de telecomunicações quer ainda aumentar o número de vagas destinadas a jovens, nas suas várias operações. Só em Portugal, a gigante pretende oferecer três mil oportunidades até 2022, entre postos de trabalhos e programas de estágios.

“Nenhuma sociedade prospera se grande parte dos seus jovens estiver desempregado”, salientou o líder executivo do Grupo Vodafone, em comunicado. Vittorio Colao explicou que a automatização fez desaparecer alguns empregos, mas criou tantos outros, sendo por isso importante apostar no desenvolvimento das competências que encaixem com esse segundo cenário. “Queremos ajudar as novas gerações a não ficarem excluídas do novo mundo laboral”, sublinhou o representante.

Nesse sentido, o “What will you be?” quer ajudar 10 milhões de jovens até 2022 a desenvolverem as competências exigidas por estes empregos digitais, facilitando-lhes a navegação no mercado de trabalho transformado. O programa inclui, por isso, o aconselhamento de carreira em 18 dos países em que o grupo Vodafone está presente e a preparação de jovens dos 14 aos 25 anos para a economia digital.

A par deste programa, a Vodafone acaba também de lançar a ferramenta “Future Jobs Finder”, que permite aos seus utilizadores realizarem uma série de testes psicométricos desenhados para identificar as suas aptidões e interesses. Os jovens analisados serão depois direcionados para oportunidades de emprego adequadas.

Vodadone quer oferecer três mil vagas de trabalho aos jovens, até 2022.Vodafone Medien/ECO

Vodafone duplica oportunidades

Nos próximos quatro anos, o grupo Vodafone vai duplicar, a nível mundial, o número de oportunidades que oferece aos profissionais. Por cá, a gigante quer dar a três mil jovens a oportunidade de contactarem com o mercado, até 2022, através de, por exemplo, programas de estágios e alguns postos de trabalho.

“A economia digital tem um enorme potencial para criar oportunidades de emprego para os jovens e agir como um catalisador do crescimento e desenvolvimento sustentável”, explicou o diretor-geral de ILO da Vodafone. Guy Ruder faz questão, no entanto, de notar que tal potencial só pode ser aproveitado se os profissionais tiverem as competências necessárias.

No início do mês, o Eurostat revelou que Portugal está entre os quatro países da União Europeu com a taxa de desemprego jovem mais elevada. Em janeiro, 22,2% dos profissionais com menos de 25 anos estavam sem trabalho, no mercado nacional.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vodafone tem três mil oportunidades para jovens portugueses até 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião