Governo cria taxa para financiar novo modelo de supervisão

  • ECO
  • 23 Março 2018

Bancos, empresas cotadas na bolsa e seguradoras poderão ter de vir a pagar uma nova taxa para financiar o modelo de supervisão. Mas a proposta não agrada aos supervisores.

Bancos, empresas cotadas e seguradoras poderão ter de vir a suportar uma taxa para financiar o novo modelo de supervisão financeira e cujo projeto de decreto-lei está a ser ultimado pelo Governo.

De acordo com o jornal Público (acesso pago), o novo desenho da arquitetura de supervisão deverá incluir uma taxa a ser paga pelas entidades supervisionadas. A proposta do grupo de trabalho liderado por Carlos Tavares apontava para uma solução de financiamento alternativa, mas sem sobrecarregar os supervisionados.

O novo modelo mantém os atuais três supervisores setoriais — Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) — e estabelece a criação do Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira, que junta várias competências e poderes atualmente nas mãos dos reguladores, incluindo um novo departamento autónomo de resolução de bancos.

Porém, se a proposta que esteve em consulta pública previa um caminho aparentemente consensual, através do “financiamento assegurado por contribuições dos três supervisores, estabelecidas em proporção do orçamento de cada supervisor imputável a atividades de supervisão”, esta nova taxa autónoma desagrada ao Banco de Portugal, CMVM e ASF, diz o jornal.

De resto, a proposta para mudar a arquitetura de supervisão financeira em Portugal mereceu várias críticas da parte dos supervisores. A criação de uma nova taxa a ser suportada pelas instituições supervisionadas é mais um ponto de desacordo com o Governo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cria taxa para financiar novo modelo de supervisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião