Moody’s abre porta a subida de rating do BCP

A agência manteve a notação do BCP em "lixo" mas melhorou o outlook de estável para positivo, abrindo a porta a uma subida do rating. Cita melhoria da qualidade dos ativos e recuperação doméstica.

A Moody’s manteve o rating do BCP, mas melhorou as perspetivas de evolução de estável para positiva, abrindo a porta a uma subida da notação de risco. A agência cita a melhoria da qualidade dos ativos e ainda a recuperação dos lucros no mercado doméstico como fatores principais para esta decisão.

“A ação de rating reflete o perfil de crédito global do BCP, nomeadamente a melhoria das métricas de risco dos ativos e a sua maior rentabilidade doméstica“, justifica a Moody’s. “Apesar destas melhorias, a Moody’s sublinha que a capacidade de absorção de risco continua fraca em virtude dos desafios significativos em relação à qualidade dos ativos”, indica ainda.

Em concreto, a Moody’s manteve os ratings de depósito de longo prazo e de dívida do BCE em B1, em zona de investimento especulativo — situa o risco do banco quatro níveis abaixo do patamar de investimento de qualidade.

Quanto ao outlook, que indica quais as perspetivas de evolução assumidas pela agência em relação aos ratings, foi melhorado de estável para positivo. Ou seja, haverá uma subida do rating “se o BCP continuar a reduzir o seu stock de ativos problemáticos e melhorar a sua capacidade de absorção de risco durante o período do outlook“, diz a agência na sua decisão.

O BCP registou lucros de 186,4 milhões de euros em 2017, ou seja, 7,8 vezes mais do que no ano anterior. Em relação à NPE (non performing exposure), este indicador diminuiu em 1,8 mil milhões de euros no ano, “cifrando-se em 6,8 mil milhões de euros no final de 2017, claramente abaixo do objetivo anunciado de 7,5 mil milhões”.

O banco prepara-se para mudanças no seu governo. Conforme avançou o ECO em primeira mão, Nuno Amado deverá ser promovido a chairman do BCP, um cargo que terá poderes reforçados. Já Miguel Maya será o novo CEO.

(Notícia atualizada às 12h19)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s abre porta a subida de rating do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião