? Portugal é o quarto maior fornecedor europeu de vinho importado pela China

  • Lusa
  • 25 Março 2018

Mercado do vinho está a crescer. China caminha para ser o maior mercado do mundo para vinho.Pixabay

Portugal é já o quarto fornecedor europeu dos vinhos importados pela China, que deverá em poucos anos tornar-se o maior mercado do mundo do setor, numa tendência que as empresas vinícolas portuguesas estão a tentar acompanhar. “Estamos aqui a tentar acompanhar e apanhar este comboio, que é um comboio importante”, disse à agência Lusa Dora Martins, gerente de exportação da Real Companhia Velha, à margem de uma prova de vinhos organizada pela embaixada portuguesa em Pequim, que contou ainda com a participação da José Maria da Fonseca.

A China deverá ultrapassar, nos próximos anos, o Reino Unido e a França como o maior mercado do mundo para vinho, em termos de valor, segundo a consultora International Wine & Spirit Research (IWSR). Na lista dos países europeus que em 2017 exportaram mais vinho para a China, encabeçada pela França, Portugal ficou no 4.º lugar, atrás de Espanha e Itália, segundo dados do centro de pequenas e médias empresas da União Europeia.

No ano passado, o país asiático comprou mais de 18 milhões de euros de vinho português, de acordo com a mesma fonte, representando 2,6% em volume e 2,5% em valor das exportações nacionais do setor. No entanto, o mercado chinês tem “características próprias” e a “forma de os chineses consumirem vinho é diferente de todos os outros países”, notou Martins. “É um mercado onde há um grande desconhecimento sobre os vinhos portugueses e, portanto, é preciso vir cá mais vezes, explicar as castas locais, os vinhos e as regiões”, disse.

A representante da mais antiga empresa de vinhos de Portugal ressalvou que “os chineses aprendem muito rápido”. “Há dez, quinze anos, os chineses não percebiam nada de vinhos. E eu fico admirada e surpreendida o quão rápido o consumidor daqui aprende”, explicou.

Estamos aqui a tentar acompanhar e apanhar este comboio, que é um comboio importante.

Dora Martins

Gerente de exportação da Real Companhia Velha

Nos últimos anos, a campanha anticorrupção em curso na China levou a mudanças no perfil do mercado, com os vinhos a deixarem de servir como suborno e as vendas a serem impulsionadas pelo consumo real, segundo analistas do setor. O boom no comércio eletrónico — a China representa quase metade das compras via online em todo o mundo — contribuiu também para alargar a oferta de vinho importado a cidades menores do país, numa tendência que favorece os vinhos de gama média.

Dora Martins falava à margem de um evento organizado pela embaixada portuguesa em Pequim, que reuniu quase vinte jornalistas da imprensa estatal e revistas Life&Style chinesas, e cerca de 60 profissionais do setor, incluindo distribuidores e representantes de restaurantes e hotéis locais. O evento, que culminou com um concerto da fadista portuguesa Cuca Roseta, é o primeiro de uma iniciativa lançada pelo embaixador português em Pequim, José Augusto Duarte, visando promover a cultura e os produtos portugueses, e que se irá repetir ao longo do ano.

“Queremos promover produtos tradicionais e industriais. A área agroalimentar, mas também calçado, ourivesaria, componentes automóveis, mobiliário ou design“, revelou o diplomata à Lusa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

? Portugal é o quarto maior fornecedor europeu de vinho importado pela China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião